Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Tigertail: Filme de drama explora as memórias de um imigrante taiwanês nos Estados Unidos

Um velho taiwanês revive suas histórias de antes e depois de sua vida nos Estados Unidos. O filme Tigertail foi lançado em 2020, com direção e roteiro do norte-americano Alan Yang, filho de taiwaneses e foi distribuído pela Netflix

No recente contexto em que descendentes de asiáticos pedem mais respeito nos Estados Unidos, para quem não está familiarizado com narrativas explorando o mundo multicultural da relação entre a Ásia e países ocidentais, vale a pena assistir Tigertail. É como rever um álbum de fotografias antigas e se emocionar com os detalhes e períodos de mudanças.

Parte do filme se passa em Taiwan, país de origem do protagonista e sua família. Com um tom de nostalgia, a história relembra uma das principais motivações que levaram ao jovem Pin-Jui a optar por um recomeço na América do Norte. Conhecendo o seu passado e as coisas que ele deixou para trás, dá para entender um pouco como se molda a sua personalidade mais fechada.

Entre o taiwanês, inglês e o mandarim, Tigertail traz um retrato de gerações, seus impactos emocionais e a importância de cultivar suas raízes. Embora não seja verbalizado, o protagonista do filme claramente questiona suas escolhas, frutos da idealização e da busca pelo sonho norte-americano.

Além das idas e vindas entre as memórias do protagonista, o filme também se foca no relacionamento entre pai e sua filha adulta. Diferente de Pin-Jui (Tzi Ma), Angela (Christine Ko) nasceu nos Estados Unidos e viveu uma realidade bem diversa, porém, como muitos outros filhos de imigrantes asiáticos, ela compartilha a dificuldade de comunicação dos sentimentos, o excesso de pressão pelo sucesso e trabalho e amor. 

Longe de ser um documentário ou algo completamente biográfico, existem alguns traços em comum com a história do pai de Alan Yang. Em entrevista à Vanity Fair, o diretor relatou que assim como o protagonista, o pai dele cresceu na região rural de Taiwan e se mudou com a mulher para Nova York. O filme o ajudou a se conectar com o pai e suas origens. “É minha carta de amor para todos na minha família e para a ideia de ser taiwanês-americano”, diz Alan Yang, que deseja ver mais diretores, roteiristas, atores e produtores asiáticos fazendo sucesso. 

Se você se interessou por Tigertail, também pode gostar desses filmes: 

Happy Old Year: Filme explora a linha tênue entre o desapego e a nostalgia 

All In My Family: Documentário sobre gay apresentando seus filhos para família chinesa 

Little Big Women: Filme taiwanês de drama sobre adversidades inesperadas e superações 

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana