Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Torso Killer: Série documental aborda caso de assassino em série que torturava e esquartejava mulheres nos Estados Unidos

Para quem gosta de minisséries documentais sobre casos de crime disponíveis na Netflix, Crime Scene: The Times Square Killer relembra um período de uma das áreas de Nova York marcado por assassinatos que chocaram a população norte-americana, em 1979, e também um pouco do cenário de contracultura repleto de trabalhadoras do sexo, efervescente indústria da pornografia e o seu lado sombrio do comércio das drogas e máfias que controlavam a região.

Com entrevistas de fotógrafos, autores de livros sobre o assunto, especialistas em crimes e até a filha de uma mulher que foi assassinada por Richard Cottingham, que foi apelidado de Torso Killer. Entre os entrevistados estão Vernon Gerbeth, ex-policial com mais de 40 anos de experiência que comandou uma unidade de força-tarefa responsável pela investigação de 400 assassinatos em um ano e o jornalista Rod Leith, investigador com mais de 30 anos de experiência, autor do livro sobre o caso The Prostitute Murders: The People Vs. Richard Cottingham, publicado originalmente em 1983.

Em vez de ficar só no terreno da especulação sobre qual seria o comportamento de Cottingham, um psicopata sádico, um ex-colega de trabalho foi um dos entrevistados e falou um pouco sobre como o ambiente repleto de ofertas sexuais da Times Square parecia exercer um fascínio sobre o assassino que torturava mulheres e diferente de serial killers que gostavam de esconder seus corpos, esse gostava de exibi-los como troféus – revelando sua assinatura.

Além disso, a série documental também traz uma possível vítima de Cottingham que sobreviveu, o que torna o material ainda mais intrigante. Para contextualizar um pouco desse período, a produção também conta com entrevistas de autores de obras sobre sexo e a Times Square que analisaram tanto a relação que alguns homens sentiam em relação às profissionais do sexo, como esse chamariz da Times Square – o lugar ideal para um psicopata obcecado por prostitutas, o qual foi descrito pelo ex-colega como alguém que sabia como encontrá-las e atraí-las.

A dificuldade de colaboração das vítimas com a polícia e com a justiça fizeram com que o assassino permanecesse impune durante um tempo. Inicialmente, acreditavam que os crimes só aconteciam em Nova Iorque, mas depois descobriram que Richard Cottingham dopava e levava suas vítimas para Nova Jérsei. 

Graças às investigações, depoimentos de sobreviventes, depoimentos de ex-colegas de trabalho, evidências e objetos das vítimas encontradas na casa de Richard que ele foi julgado e condenado. Embora durante 30 anos, ele tenha mantido o silêncio sobre seus crimes e se recusou a colaborar com a polícia, uma jornalista conseguiu entrevistá-lo e ele falou abertamente a razão de matar suas vítimas.

O caso de Richard Cottingham é um desses em que a linha entre o tabu, o fetiche sadomasoquista e o comportamento criminal estão interconectados. Ainda que em determinadas situações ele tenha tentado alegar que havia pagado as mulheres porque gostava de bondage – lembrando que nem todas suas vítimas eram profissionais do sexo –, ele não só praticou atos em que sentia prazer em causar dor a elas, como além de violentá-las e assassiná-las de diferentes maneiras, também chegou a esquartejar algumas.

Usando seu verniz de bom trabalhador e homem de família, Richard conseguiu ficar fora do radar por um bom tempo. Em entrevista, o serial killer alegou que outros 80 assassinatos não foram descobertos pela polícia dos Estados Unidos. O padrão do seu comportamento criminal tornou quase impossível não ligá-lo às vítimas, mesmo que ele tentasse inventar desculpas de que era inocente e de que a polícia estava tentando armar contra ele. 

The Torso Killer é só mais um desses assassinos em série que continuaria matando até que fosse capturado... que ninguém se deixe enganar!

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Me acompanhe nas redes sociais:

Twitter: https://twitter.com/BenOlivDreamer

Facebook: https://www.facebook.com/BenOliveiraDreamer

Instagram: https://instagram.com/benoliveiradreamer

Comentários