Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.


Para os trolls que…

O Livro e a Leitura na Era Digital – PROLER Campo Grande (MS)

*Texto: Ben Oliveira

O Livro e a Leitura na Era Digital foram tema da oficina realizada na noite desta quinta-feira, 26 de setembro de 2013, na 14ª edição do PROLER – Encontro do Programa do Livro e da Leitura, em Campo Grande (MS), na Biblioteca Pública Estadual Dr. Isaías Paim, dentro do Memorial da Cultura.

Professores debaterem com participantes da oficina sobre as práticas do ensino e da leitura na era digital. Foto: Ben Oliveira.

Ministrada pelos professores Orlando de Almeida Filho, do Instituto de Ensino Superior da Funlec – IESF e Rose Cristiani Liston, da IESF e da Universidade Católica Dom Bosco – UCDB, a oficina abordou as transformações tecnológicas, o contexto da sociedade, o livro digital e a necessidade de adequação dos professores para educarem os seus alunos. “A ideia é fazer um diálogo provocativo dos nossos leitores e das ferramentas”, informou Orlando Filho.

Revoluções da Leitura

Orlando Filho falou sobre duas revoluções na leitura, a Revolução do Livro de Gutenberg e a Revolução Digital, ambas responsáveis por modificar o modo de produção e o modo de reprodução dos textos. “No ambiente digital, o leitor é ao mesmo tempo autor, editor e crítico. Cria-se uma nova dinâmica de interação entre os sujeitos... Há um movimento que precisamos trazer para o debate”, afirma.

Durante a oficina foi feito um resgate histórico comentando a importância da invenção da prensa por Gutenberg, possibilitando a reprodução em escala maior e barateamento dos custos dos livros, contribuindo com o seu acesso até os dias atuais, em que é possível encontrar livros eletrônicos e viajar pelos seus diversos links, através de imagens, vídeos, áudios, dicionários, comentários. “Eu saio de uma leitura, vou para outra e volto. O ambiente web te dá este caminho”, comenta.

De acordo com os professores, enquanto o modelo de leitura linear era dominante após a revolução de Gutenberg, com a revolução digital o destaque é a leitura não-linear. “O livro no formato impresso e a própria escrita são tecnologias. É preciso romper com este modelo determinista que diz que tecnologia é somente computador”, ressaltam.

Revolução dos Ebooks

Com a possibilidade de qualquer pessoa se tornar autor, editor e distribuidor dos seus próprios livros, os professores Orlando Filho e Rose Liston acreditam que é importante questionar a qualidade desses textos digitais, da mesma maneira que falta rigor editorial em materiais do meio impresso.

“Quem é o leitor na era digital?”, questionam os professores na oficina.  A autora e pesquisada Santaella foi citada, definindo três tipos de leitores: o leitor contemplativo (individual, silencioso), o leitor movente (adaptado ao ritmo dos centros urbanos movimentados) e o leitor imersivo (interage com os links).

A professora Rose Liston perguntou se os professores estão preparados para trabalhar com os alunos utilizando estas novas tecnologias. A Revolução dos Ebooks (eletronic books ou livros eletrônicos), por exemplo, pode ser usada para ajudar na democratização do acesso à leitura, com livros e documentos importantes a um clique. Entre as funcionalidades dos leitores de ebooks estão: marcadores de páginas, ajuste de fonte, controle de brilho, dicionário, busca por palavras ou frases, grande capacidade de armazenamento e peso leve.

Metodologias de Ensino recicladas

Segundo Rose, algumas questões ainda precisam ser discutidas como o acesso, direitos autorais, aspectos culturais e a pirataria. Com estas facilidades proporcionadas pela digitalização de livros, os professores precisam saber como encantar os alunos e incentivar a leitura. “As pessoas estão baixando os livros, mas será que elas estão lendo?”, reflete. Projetos de bibliotecas virtuais em que os professores e alunos podem fazer o download gratuito de e-books foram citados, como o Projeto Gutenberg, o Google Books e o Projeto Brasiliana (USP). “Como trabalhar com o aluno as duas vertentes: o livro impresso e o livro digital? É preciso repensar nossas metodologias”, justifica.

As tecnologias digitais trouxeram transformações no cotidiano e nos ambientes escolares, exigindo novas formas de comunicação e informação e diferentes práticas de leitura e escrita. O pesquisador Pierre Levy é citado: “É preciso constituir conhecimento e criar soluções inovadoras”.

As crianças de hoje em dia são nativos digitais e aprendem fazendo, através da interação, cooperação e exploração. Para entendê-las, os professores argumentam que é preciso repensar as práticas e inovar. “As crianças podem criar blogs, páginas na internet, entrar em sala de bate-papo e interagir no mundo virtual”. A professora Rose Liston diz que também é necessário entender a cultura. Enquanto nas escolas do Canada as crianças usam a tecnologia para o letramento digital (ensino), no Brasil elas usam para o uso de redes sociais e mesmo no ambiente escolar, os alunos querem escrever como se estivessem no Facebook.

Leia também:

O Livro na Era Digital e o incentivo à leitura são destaques do 14º PROLER de Campo Grande (MS)

Oficina para Contadores de Histórias é oferecida no Proler Campo Grande (MS)

Comentários

Mais lidas da semana