Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Profissionais antiéticos envolvidos com tratamentos proibidos e perigosos

Quando lancei uma campanha contra tratamentos sem evidências científicas do autismo, tive pouquíssimo apoio. Isso me ajudou a ver quem é quem, quem coloca as cartas na mesa ou não, quem está/estava com medo.


Infelizmente, além de estarmos abertos às ameaças abertas ou veladas, também existe muito silenciamento; muitas famílias fazendo tratamentos que são proibidos e perigosos e profissionais antiéticos que deveriam ser processados e/ou deveriam perder a licença.

Em vários países, isso já deu processos e prisões, mas no Brasil, nada é como deveria ser. Alguém fica chocado de viver no mundo invertido?

Tem gente que adora brincar com fogo. Gente que difama autistas adultos e quase implora por um processo.

Preciso lembrar que essas coisas são crimes? Ah, não sabia? Agora já sabe.

Uma dica: A verdade demora, mas ela sempre vem. Não é que o Xadrez nos ensina algumas coisas?
Quanto à impunidade e a desinformação, pode ter certeza que vou continuar fazendo minha parte de passar informações de …

Observatório da Imprensa e a análise da mídia brasileira

Surgido na internet em abril de 1996, o Observatório da Imprensa é um veículo jornalístico focado na crítica da mídia que apresenta regularmente artigos para discussão e reflexão sobre os meios de comunicação de massa, o papel dos jornalistas, a ética jornalística, a repercussão sobre a cobertura de reportagens produzidas pelos principais jornais do mundo.


Além da sua versão online, desde maio de 1998, o Observatório da Imprensa começou a ser transmitido na televisão. O programa é produzido pela TVE do Rio de Janeiro e TV Cultura de São Paulo, transmitido semanalmente pela Rede Pública de Televisão e disponível no Youtube para reprodução.

O meio radiofônico também é ambiente do Observatório da Imprensa. Desde maio de 2005, o programa de rádio é transmitido pela rádio Cultura FM de São Paulo, rádios MEC AM e FM do Rio de Janeiro e rádios Nacional AM e FM de Brasília.

A ideia de criar o Observatório da Imprensa surgiu de um projeto do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo, da Universidade Estadual de Campinas, uma iniciativa do Projor – Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo.

Com o propósito de analisar o desempenho da mídia brasileira, o Observatório possibilita a interação com o público e verificar a opinião de profissionais, jornalistas, pesquisadores e estudiosos. Acreditando na importância do produto jornalístico na prestação de serviço público com seus deveres e responsabilidades sociais, o Observatório da Imprensa critica os veículos de comunicação que não atendem às demandas da população e cidadania, se preocupando somente com os interesses das empresas privadas.

O Projor é mantenedor do Observatório da Imprensa e é uma organização social sem fins lucrativos que realiza atividades de formação, treinamento, reciclagem e consultoria nos campos profissional e empresarial.

A equipe do Observatório da Imprensa é formada pelos jornalistas Alberto Dines, Diretor Editorial; Carlos Eduardos Lins da Silva, Presidente do Projor; Caio Túlio Costa, Diretor de Operações do Projor; Luiz Egypto, Redator-Chefe do Observatório da Imprensa e Eugênio Bucci, Diretor do Projor.

*Com informações do Observatório da Imprensa / Projor

Comentários

Mais lidas da semana