Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Good Detective: Série coreana policial sobre antigo caso e a busca pela verdade

The Good Detective é uma série coreana policial que aborda um caso antigo, cujo julgamento levou à sentença de condenação de morte do acusado. Um detetive novato no departamento e um veterano se juntam para descobrir se aconteceram falhas nas investigações policiais. A série está disponível na Netflix . Com 16 episódios em sua primeira temporada, três personagens se destacam: o detetive que participou da investigação do caso, Kang Do Chang (Son Hyeon-ju) , o jovem detetive Oh Ji Hyuk (Seung-jo Jang) e a jornalista investigativa Jin Seo Kyung (Elliya Le) . Quando um novo caso de um suposto assassino confesso da filha do homem condenado ganha a atenção da mídia, muitas dúvidas pairam no ar sobre as motivações e os possíveis envolvidos, fazendo com que os detetives discretamente se aprofundassem nas investigações, mesmo sabendo que poderiam prejudicar as próprias carreiras. Kang é movido pela consciência pesada de ter sido parte do caso do condenado possivelmente inocente sofrer pena de

Resenha: 21 Dias nos Confins do Mundo – Henry Jenné

Algumas viagens são mais transformadoras do que outras, mas todas acabam nos levando a descobrir coisas sobre nós mesmos que permaneciam no escuro. Quando o viajante decide seguir uma jornada em busca de si mesmo e dos mistérios da vida, muitas experiências transformadoras se revelam. Em seu livro 21 Dias nos Confins do Mundo, publicado pelo selo Novos Talentos da Literatura Brasileira (Editora Novo Século), o escritor Henry Jenné narrou uma história de ficção misturada com fatos reais sobre a sociedade da Terra do Fogo, em seu roteiro pela América do Sul.


Na apresentação do livro, Henry Jenné compartilha com o leitor sobre o seu desejo de ajudar as pessoas e como surgiu essa experiência de vivenciar sua jornada de autodescoberta: “Eu queria um caminho novo, no qual eu pudesse ter certa segurança e que me possibilitasse experimentar aquilo que eu considerava ser o mais importante da experiência: provar a solidão absoluta e a minha capacidade de seguir em frente independentemente das situações que viessem a ocorrer naturalmente e, acima de tudo, pôr em prova a minha fé e realizar o meu encontro com Deus”.

“Nosso caminho neste mundo deve ser semelhante ao rio, capaz de desviar-se ou mudar de direção quantas vezes forem necessárias, porém não esquecendo jamais que nossa natureza é imutável. O curso do rio pode ser comparado ao caminho, e seu destino é fruto ou resultado das escolhas pelos locais por onde ele decidiu passar, desde o seu nascimento no alto das montanhas até a sua morte no mar”.

Narrado em primeira pessoa pelo protagonista, a história funde as experiências pessoais do autor com elementos da ficção. Assim como muitos personagens religiosos se aventuraram por suas travessias em desertos, Henry Jenné ouviu o seu próprio chamado e após pesquisar sobre diferentes regiões do mundo, ele acabou escolhendo pelo extremo sul da América, cruzando a região da Terra do Fogo (Patagônia, Argentina e Chilena), próximo ao lugar conhecido como Fim do Mundo. Durante sua jornada, o autor relata que aproveitou para meditar e refletir todos os dias.

O autor explora a história e geografia da Terra do Fogo e narra sua aventura, desde o dia inicial de sua jornada, em que ele saiu do aeroporto de Santa Catarina em direção ao sul da América até as pessoas e situações que vão cruzando seu caminho e os aprendizados obtidos com os elementos universais. Passando por caminhos sagrados, a história vai além da narrativa de viagem e acaba se deixando levar pela fantasia, misticismo e pela força dos mitos.

“As estrelas também sempre representaram um papel real ou imaginário para alguns povos, e de alguma forma sempre nos ajudaram a marcar o tempo, os eventos mais importantes na terra e no universo, e até mesmo o nosso papel e destino no mundo e o universo”

Henry Jenné escreveu um livro daqueles que nos faz refletir, principalmente, quando nos sentimos desconectados de nós mesmos. Toda viagem é um chamado ao desconhecido e quando nos dispomos a sair de nossa zona de conforto, tudo pode acontecer. Entre narrativas históricas e fantásticas, o autor se envolve com um povo e seus mistérios, em um encontro consigo mesmo e com o universo. Em um mundo em que a relação com o ser e a natureza tem estado cada vez mais distante e as relações tecnológicas e materiais são hipervalorizadas, o peregrino nos lembra sobre a paz que encontramos nas coisas simples da vida, da magia universal e de se conectar com sua própria verdade.

21 Dias nos Confins do Mundo é uma dessas leituras que a gente termina de ler e fica com aquela vontade de sair viajando por aí. É bem interessante como os conceitos que o narrador-personagem vai aprendendo são trabalhados dentro da narrativa, como a circularidade, as fronteiras entre a imaginação, sonhos, espiritualidade e folclore, bem como a deliciosa sensação de desafiar os próprios limites e acompanhar as transformações ao longo do trajeto – a cada desafio e aprendizado, nos sentimos, como o protagonista, tão próximo do povo da sociedade secreta da Terra do Fogo. Uma leitura revigorante, como uma boa viagem deve ser.

“Assim é a vida, sempre em movimentos circulares, mas numa única direção. Não importa se estamos em cima ou embaixo, nada é definitivo […] a não ser o próprio movimento e a sua direção”


Sobre o autor – Henry Jenné da Costa Junior nasceu em Itajaí (SC) e morou a maior parte de sua vida em Balneário Camboriú. Formado em Administração, cursou MBA em Internacionalização de Empresas pela Universidade do Vale Itajaí, com módulo internacional na Universidad Argentina de La Empresa (Buenos Aires), e estudou inglês por um ano nos EUA. Na área administrativa, trabalhou em grandes empresas brasileiras até 2009, quando ingressou como servidor de carreira no governo do estado de Santa Catarina, passando a morar em Florianópolis. Entre 2003 e 2007 ingressou na área de comunicação e artes, estudando teatro com foco em televisão e publicando uma série de artigos em jornais e revistas relacionados à administração. Em 2015 retornou a Balneário Camboriú e decidiu abdicar da carreira de administrador para dedicar-se integralmente à arte e à literatura. 21 Dias nos Confins do Mundo é o primeiro fruto dessa nova fase. Conheça o site do autor: http://henryjenne.com.br/


Ficou curioso para ler o livro 21 Dias nos Confins do Mundo? Já conhecia? Comente!

Comentários

Mais lidas da semana