Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Pedagoga e Neurologista dão orientações no livro Mentes Únicas

Mentes Únicas, como o próprio título do livro aponta se trata da diversidade humana existente dentro do espectro autista. A pedagoga Luciana Brites e o neurologista Clay Brites escreveram uma obra para ajudar a levar conscientização sobre o autismo. Para quem gosta de livros recentes, a obra foi publicada pela Editora Gente, em 2019.


Encontre o livro Mentes Únicas (Luciana Brites e Clay Brites): https://amzn.to/2MTHZ8a

Sempre que falamos de autismo, para quem não está por dentro da realidade, muita gente pode ter a impressão de que os pais/familiares/pessoas não vão atrás de diagnósticos porque não querem. O que muita gente não sabe e deveria saber: temos um despreparo crônico e múltiplo no Brasil... Profissionais da área de saúde e educação que sabem o básico do básico sobre o autismo, têm dificuldade de fechar o diagnóstico e/ou de identificar os traços autísticos, bem como não sabem dar as orientações por falta de conhecimento.

Essa falta de preparo da área de saúde e o desencontro …

1984 é eleito livro mais assustador pelos leitores da Penguin Books UK

Histórias assustadoras são bem subjetivas. Diante dos últimos tempos que estamos vivendo de caos político em diferentes países, não é por acaso que o livro 1984, do George Orwell, foi eleito o livro mais assustador neste Halloween de 2017. A enquete foi realizada pela editora Penguin Books UK em seu Twitter e por incrível que pareça, a distopia concorreu com outro livro que tem dado o que falar: O Conto da Aia  (The Handmaid’s Tale), da escritora Margaret Atwood.


A enquete contou com 64 livros nominados, entre eles, O Iluminado, O Cemitério, Salem e It (Stephen King), A Máscara da Morte Rubra (Edgar Allan Poe), Deixe ela entrar (John Ajvide Lindqvist), Psicose (Robert Bloch), Frankenstein (Mary Shelley) e Drácula (Bram Stoker).

Vendo o tanto de livros concorrentes, fiquei surpreso ao saber que os dois romances distópicos foram os finalistas. Isso diz muito sobre os anos que estamos vivendo. Governos totalitários podem ser mais assustadores do que qualquer obra de terror.



Confira a sinopse de 1984:


Winston, herói de 1984, último romance de George Orwell, vive aprisionado na engrenagem totalitária de uma sociedade completamente dominada pelo Estado, onde tudo é feito coletivamente, mas cada qual vive sozinho. Ninguém escapa à vigilância do Grande Irmão, a mais famosa personificação literária de um poder cínico e cruel ao infinito, além de vazio de sentido histórico. De fato, a ideologia do Partido dominante em Oceânia não visa nada de coisa alguma para ninguém, no presente ou no futuro. O'Brien, hierarca do Partido, é quem explica a Winston que "só nos interessa o poder em si. Nem riqueza, nem luxo, nem vida longa, nem felicidade: só o poder pelo poder, poder puro". Algumas das ideias centrais do livro dão muito o que pensar até hoje, como a contraditória Novafala imposta pelo Partido para renomear as coisas, as instituições e o próprio mundo, manipulando ao infinito a realidade. Afinal, quem não conhece hoje em dia "ministérios da defesa" dedicados a promover ataques bélicos a outros países, da mesma forma que, no livro de Orwell, o "Ministério do Amor" é o local onde Winston será submetido às mais bárbaras torturas nas mãos de seu suposto amigo O'Brien. Muitos leram 1984 como uma crítica devastadora aos belicosos totalitarismos nazifascistas da Europa, de cujos terríveis crimes o mundo ainda tentava se recuperar quando o livro veio a lume. Nos Estados Unidos, foi visto como uma fantasia de horror quase cômico voltada contra o comunismo da hoje extinta União Soviética, então sob o comando de Stálin e seu Partido único e inquestionável. No entanto, superando todas as conjunturas históricas - e até mesmo a data futurista do título -, a obra magistral de George Orwell ainda se impõe como uma poderosa reflexão ficcional sobre os excessos delirantes, mas perfeitamente possíveis, de qualquer forma de poder incontestado, seja onde for.



Confira a sinopse de O Conto da Aia:


Escrito em 1985, o romance distópico O conto da aia, da canadense Margaret Atwood, tornou-se um dos livros mais comentados em todo o mundo nos últimos meses, voltando a ocupar posição de destaque nas listas do mais vendidos em diversos países. Além de ter inspirado a série homônima (The Handmaid’s Tale, no original) produzida pelo canal de streaming Hulu, a ficção futurista de Atwood, ambientada num Estado teocrático e totalitário em que as mulheres são vítimas preferenciais de opressão, tornando-se propriedade do governo, e o fundamentalismo se fortalece como força política, ganhou status de oráculo dos EUA da era Trump. Em meio a todo este burburinho, O conto da aia volta às prateleiras com nova capa, assinada pelo artista Laurindo Feliciano.

Comentários

  1. A realidade anda assustando mesmo! Tempos sombrios!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é! Distopias tomando o lugar do terror. Mostra o quanto as pessoas estão com medo do futuro.

      Excluir
  2. Eu adoro ler distopias, mas eu acredito que elas são assustadoras. Para qualquer mulher, O conto da Aia é o pior pesadelo.

    Vidas em Preto e Branco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lary! Obrigado pelo comentário. Distopias podem ser assustadoras mesmo. Geralmente, elas revelam o lado pior do ser humano.

      Excluir
  3. Oi Ben!
    Já li alguns da lista que vc citou e 1984 foi realmente o que me causou um desconforto maior. Sempre achei que as histórias mais aterrorizantes são aquelas que podem ser transformadas em realidade. Portanto, monstros não me assustam, governos populistas que escondem o intuito de serem totalitários, sim.
    Beijos!

    Mais Uma Página

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Michelly! Ótimo comentário. Dá para refletir bastante sobre o rumo dos países nos últimos tempos. Regimes totalitários podem ser assustadores mesmo, pois sabemos quais são as consequências. A liberdade, mesmo quando pouca, é melhor do que nenhuma.
      Beijo

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana