Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.


Para os trolls que…

Edgar Allan Poe: 168 anos da morte do escritor

Na noite de ontem enquanto preparava um post para o blog com algumas ilustrações de Aubrey Beardsley inspiradas em Edgar Allan Poe, nem me dei conta de que neste sábado, 07 de outubro de 2017, completariam 168 anos da morte do escritor. Para mim, é tão natural estar em contato com o universo de Poe, que é difícil imaginar uma existência sem ele. É tão bacana ver leitores do mundo inteiro elogiando o escritor neste dia. 


No Brasil, a editora DarkSide Books promoveu uma ação com seus leitores e seus parceiros para homenagear o escritor nas redes sociais através da hashtag #MedoClássico. Em 2017, a editora publicou o primeiro volume da edição Edgar Allan Poe: Medo Clássico com alguns dos textos do autor traduzidos por Marcia Heloisa e com ilustrações de Ramon Rodrigues e para 2018, está prevista a publicação do volume dois. O livro fez tanto sucesso entre os leitores, que ficou entre os mais vendidos em algumas livrarias.

A biografia de Edgar Allan Poe não é nem um pouco feliz. O escritor teve um pai adotivo que nunca o adotou formalmente. O sobrenome Allan, por exemplo, só foi adotado após sua morte, que veio de John Allan. Para quem gosta de romances biográficos, vale a pena conhecer o livro Edgar Allan Poe: O Mago do Terror, escrito pela contista e romancista Jeanette Rozsas.

Duas epígrafes do meu romance de terror, Escrita Maldita, são do Edgar Allan Poe. O livro conta a história de dois escritores contemporâneos, um veterano e um novato sortudo. Poe foi uma das minhas influências literárias, assim como ele foi e continua sendo para milhares de escritores da temática sombria. O protagonista, Daniel Luckman, por exemplo, lida com o abandono emocional dos pais e se desafia a fazer sucesso como escritor – mesmo que o sonho possa se tornar um pesadelo –, pois é o que ele sabe fazer . O que sua história de vida me faz pensar? Em como nem sempre a vida é justa, mas que os tempos mudam – não completamente, não para todos. Enquanto Edgar Allan Poe ganhou centavos por algumas de suas publicações e teve tiragens tão limitadas, provocando o desconforto na época, um século depois, muitos escritores de livros de terror conseguem ter uma vida mais digna.

“Para ser apreciado, um escritor precisa ser lido, e tais temas são avidamente procurados pelos leitores” – Edgar Allan Poe justificando sua escolha pela temática macabra

Será que quando estava vivo ele poderia imaginar o sucesso que faria? Talvez. Será que sua história seria diferente se ele tivesse mais reconhecimento quando ainda lutava para sobreviver? Sem dúvidas. O dinheiro não curaria suas feridas emocionais – Poe viu várias mulheres por quem ele tinha afeição morrer –, mas o ajudaria a ter mais conforto. Edgar perdeu a mão biológica quando era pequeno e foi abandonado pelo pai. Seu relacionamento com os pais de criação era conturbado.

As primeiras histórias publicadas por Edgar Allan Poe foram publicadas com o dinheiro que ele tinha para sobreviver em Boston. Mesmo trabalhando como crítico literário e com suas publicações literárias, o dinheiro não era suficiente para ele mesmo, tampouco para Virginia, sua esposa.

A morte de Edgar Allan Poe permanece um mistério. Ele tinha predisposição ao álcool e existem várias hipóteses. Poe morreu no hospital, mas quando chegou até lá, já estava inconsciente.

Seus textos foram e continuam sendo traduzidos para o mundo todo. Edgar Allan Poe influenciou não só a literatura (Horror, Suspense, Policial e Ficção Científica), como também deixou um legado cultural, que serviu de inspiração para ilustradores, músicos, cineastas e milhares de pessoas. Poe é um escritor para aqueles que sabem a importância de sonhar acordado.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e do livro de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1), disponível no Wattpad.

Comentários

Mais lidas da semana