Pular para o conteúdo principal

Destaques

4 Curiosidades do livro O Cérebro Autista

Existem mais de 2 milhões de pessoas no espectro autista no Brasil e os números seriam bem maiores se ainda não houvesse tanta dificuldade de encontrar profissionais especialistas no assunto. É bem provável que ao longo da vida você tenha conhecido um autista, mesmo que não saiba ou até mesmo que a pessoa não soubesse – como acontece com quem tem diagnóstico tardio na vida adulta de Síndrome de Asperger. Entender um pouco sobre a condição neurológica diversa é essencial para a inclusão social.


Compre o livro O Cérebro Autista (Temple Grandin e Richard Panek):https://amzn.to/2QMYXWP

Estamos em 2018 e ainda há muita desinformação sobre o autismo, especialmente na internet com a explosão de informações falsas. Ainda há um déficit de profissionais da saúde especializados no transtorno do espectro autista no Brasil, mas com o aumento do número de diagnósticos no mundo todo, mais autistas, familiares e profissionais estão buscando mais conhecimentos e informações.

Temple Grandin foi e ainda é…

Carta sobre comprar livros e a recuperação de livrarias e editoras

Quando foi a última vez que você foi a uma livraria? As livrarias da sua cidade ainda estão abertas? Nos últimos meses, as notícias sobre a crise de duas grandes livrarias brasileiras têm preocupado não só os profissionais do universo editorial, como também muitos leitores.


Os atrasos nos pagamentos de editoras e as dívidas de algumas livrarias provocaram demissões e o fechamento de algumas lojas. Escritores, editores, blogueiros literários e demais profissionais do meio têm usado a internet para falar sobre a importância de comprar livros nesses tempos difíceis, pensando não só nas grandes livrarias e editoras, mas também das menores.

Em uma carta publicada no blog da Companhia das Letras, o editor Luiz Schwarcz comenta sobre o efeito cascata da crise das Livrarias Cultura e Saraiva. “Muitas cidades brasileiras ficarão sem livrarias e as editoras terão dificuldades de escoar seus livros e de fazer frente a um significativo prejuízo acumulado”, afirma Schwarcz.

Com os pagamentos em suspenso, além da demissão de centenas de livreiros e funcionários de casas editoriais, o editor comentou que muitas editoras ficaram sem receber, o que acabou resultando na diminuição do número de livros lançados no Brasil e influenciado na hora de deixar de apostar em autores de venda mais lenta.

Segundo o editor, além de ter sido um dos piores momentos da sua vida pessoal e profissional ter que demitir funcionários que faziam parte da Companhia das Letras há anos, não há como garantir que a editora não sofrerá com mais cortes.

A carta de Luiz Schwarcz foi compartilhada e republicada por vários profissionais da área cultural e amantes da literatura nas redes sociais.

Confira um trecho da carta do editor Luiz Schwarcz:


“Sem querer julgar publicamente erros de terceiros, mas disposto a uma honesta autocrítica da categoria em geral, escrevo mais esta carta aberta para pedir que todos nós, editores, livreiros e autores, procuremos soluções criativas e idealistas neste momento. As redes de solidariedade que se formaram, de lado a lado, durante a campanha eleitoral talvez sejam um bom exemplo do que se pode fazer pelo livro hoje. Cartas, zaps, e-mails, posts nas mídias sociais e vídeos, feitos de coração aberto, nos quais a sinceridade prevaleça, buscando apoiar os parceiros do livro, com especial atenção a seus protagonistas mais frágeis, são mais que bem-vindos: são necessários. O que precisamos agora, entre outras coisas, é de cartas de amor aos livros.

Aos que, como eu, têm no afeto aos livros sua razão de viver, peço que espalhem mensagens; que espalhem o desejo de comprar livros neste final de ano, livros dos seus autores preferidos, de novos escritores que queiram descobrir, livros comprados em livrarias que sobrevivem heroicamente à crise, cumprindo com seus compromissos, e também nas livrarias que estão em dificuldades, mas que precisam de nossa ajuda para se reerguer. Divulguem livros com especialíssima atenção ao editor pequeno que precisa da venda imediata para continuar existindo, pensem no editor humanista que defende a diversidade, não só entre raças, gêneros, credos e ideais, mas também a diversidade entre os livros de ambição comercial discreta e os de ambição de venda mais ampla. Todos os tipos de livro precisam sobreviver. Pensem em como será nossa vida sem os livros minoritários, não só no número de exemplares, mas nas causas que defendem, tão importantes quanto os de larga divulgação. Pensem nos editores que, com poucos recursos, continuam neste ramo que exige tanto de nós e que podem não estar conosco em breve. Cada editora e livraria que fechar suas portas fechará múltiplas outras em nossa vida intelectual e afetiva.

Presentear com livros hoje representa não só a valorização de um instrumento fundamental da sociedade para lutar por um mundo mais justo como a sobrevivência de um pequeno editor ou o emprego de um bom funcionário em uma editora de porte maior; representa uma grande ajuda à continuidade de muitas livrarias e um pequeno ato de amor a quem tanto nos deu, desde cedo: o livro”.

Leia também:

Marcel Proust e sua devoção pelos livros

Bibliotecas e o amor do escritor Neil Gaiman pelos livros

6 Comentários de Virginia Woolf sobre a leitura de livros

Pediatras recomendam que pais leiam livros para bebês e crianças

Comentários

Mais lidas da semana