Pular para o conteúdo principal

Destaques

Little Big Women: Filme taiwanês de drama sobre adversidades inesperadas e superações

Little Big Women (Mulheres Ocultas/孤味) é um filme taiwanês de drama sobre uma família lidando com a inesperada morte do pai ausente e de como feridas do passado voltam à tona. A obra cinematográfica foi dirigida por Joseph Chen-Chieh Hs u, roteiro em co-autoria com Maya Huang e está disponível na Netflix Brasil . “A juventude é agridoce” canta Lin Shoying (Shu-Fang Chen) no karaokê dentro de um táxi, uma das personagens encantadoras desse filme. Com um passado de sacrifícios, a matriarca conseguiu proporcionar uma vida relativamente boa para suas filhas, mesmo com o ex-marido ausente. Porém, seu orgulho e ressentimento despertam seu lado crítico. Com personalidades bem diferentes, as filhas encaram junto com a mãe algumas das responsabilidades e tradições relacionadas à morte do homem. Em um país com variadas influências religiosas, ao mesmo tempo em que relembra os sofrimentos, sacrifícios e esforços que passou para se reerguer, Lin Shoying guarda uma memória afetiva do ex-mar

Neurodiversidade: Autismo não só biológico ou só identidade social

A Neurodiversidade dá um tiro no pé ao tratar o autismo como algo meramente social (identidade social), ignorando as particularidades neurobiológicas de CADA autista. Mas o extremismo científico também erra ao ver como algo meramente biológico, ou até mesmo patológico.


O ideal seria ver o melhor dos dois mundos, algo impossível diante da polarização. Todo mundo sai perdendo.

É utopia esperar que a sociedade vá se adequar completamente aos autistas, especialmente porque cada autista pode ser completamente diferente do outro. O ambiente adaptado para um autista, é o ambiente desadaptado para o outro – isso entre os próprios autistas.

Enquanto as pessoas continuarem tratando o autismo como algo 'universal', ignorando as especificidades, esse debate não vai para frente.

O Asperger que não precisa interagir com os outros, não precisa trabalhar, não precisa fazer nada que o tire da zona de conforto, talvez não sinta muita dificuldade em viver em um mundo não adaptado. Mas não é a realidade de todos Aspergers: muitos acabam desenvolvendo ansiedade pela incerteza do futuro, depressão por se compararem com não-autistas e até mesmo encontrando o suicídio como uma saída. Isso sem falar os que acabam ficando em situação de rua/desabrigados pela exclusão.

Se mesmo entre os Aspergers há divergências sobre o autismo, parem de achar que a visão de alguns profissionais ou de alguns autistas representam a diversidade inteira do espectro autista. Essa divergência pode ser saudável, mas em muitos casos pode trazer incoerências: se não é uma condição, então, pra quê diagnóstico? Se o foco é simplesmente 'deixar menos autista' significa que ele deixou de ter dificuldades na sociedade?

Digo mais: Autistas supostamente funcionais estão ficando desamparados no mundo inteiro, pois independente da funcionalidade, o preconceito é real. E se a pessoa supostamente não parece autista, mas fica completamente esgotada depois de interação social, qual é a vantagem? Ela ainda corre o risco de não conseguir um diagnóstico nem acesso aos tratamentos, pela divergência entre os próprios profissionais: não se enganem, a maioria não sabe diagnosticar autistas; muita gente ainda está presa ao modelo ultrapassado do que é autismo.

Enquanto isso, o debate acaba priorizando autistas moderados e graves e invisibilizando autistas leves, pois mesmo com menos necessidade de apoio, isso está longe de significar que a vida para Aspergers é fácil.

Entre 'não parecer autista' e 'não ser autista' há uma diferença gritante de adaptação ao mundo.

Entre o coleguinha que promete o fim do autismo e o coleguinha que acha que o autismo é só social, prefiro distância de ambos.

A cura está sendo prometida desde a história do autismo e só trouxe dor de cabeça, delírios e ilusões, já ver o autismo meramente como social não faz desaparecer os prejuízos que as pessoas que nunca tiveram diagnósticos passam.

Se as pessoas sem diagnósticos também sofrem por causa das questões do autismo, logo não é só social. O autismo não tem só sofrimento, mas está longe de ser meramente uma identidade. Talvez no futuro com mais tecnologia substituindo a comunicação, as interações sociais se moldem e todos 'pareçam mais autistas' e as barreiras diminuam, mas até lá, o autismo é um desafio complexo.

Se a própria natureza do autismo é multifatorial, por que há tanta gente querendo enxergar como A ou B? Pura incoerência.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro, jornalista por formação e Asperger. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.



Para ficar por dentro das minhas novidades:


Facebook: https://www.facebook.com/benoliveiraautor/

Twitter: https://twitter.com/Ben_Oliveira

Instagram: https://www.instagram.com/benoliveira/

YouTube: http://www.youtube.com/c/BlogdoBenOliveira

Comentários

Mais lidas da semana