Pular para o conteúdo principal

Destaques

Happy Old Year: Filme explora a linha tênue entre o desapego e a nostalgia

O filme tailandês Happy Old Year , de 2019, nos faz pensar sobre as relações que construímos com as coisas que guardamos ao longo da vida. Com direção e roteiro de Nawapol Thamrongrattanarit, a obra está disponível na Netflix. Chutimon Chuengcharoensukying interpreta Jean, uma mulher que deseja fazer um escritório em sua casa, mas se dá conta de que há uma pilha de objetos inutilizados pela casa. Interessada e inspirada pelo minimalismo, se dependesse só dela, ela colocaria tudo em sacos de lixo e jogaria fora, o que ela descreve como buracos negros, porém, à medida que ela coloca o seu plano em ação, Jean percebe que não será tão fácil como imaginava. Com a resistência da família a mudar, Jean encara de frente sua missão, doa em quem doer. O que deveria ser fácil e prático para ela, cuja necessidade é vista até mesmo como egoísmo, acaba se desdobrando em várias situações, fases e etapas conforme ela mergulha nas histórias, memórias e emoções que estão vinculadas aos objetos, especialm

Best-seller: a literatura de mercado – Muniz Sodré

Best-seller: a literatura de mercado é o nome do livro escrito por Muniz Sodré e publicado em 1998, pela editora Ática e integrante da série Princípios, cuja abordagem é a análise dos gêneros narrativos e autores da literatura de massa.

Segundo o autor, a literatura pode ser classificada em literatura culta ou literatura de massa, também conhecida como best-seller ou folhetim. Enquanto algumas obras são voltadas para um público que gosta do reconhecimento artístico dado pela academia, escola e círculo de leitura, outras são as queridinhas da massa, consideradas envolventes e emocionantes.

Para entender melhor como funciona essa diferença de produção literária, através das diferentes ideologias de seus autores, produção e consumo, Muniz Sodré analisou diversos livros, como Os Mistérios de Paris, de Eugène Sue, levando em conta aspectos como arquétipos míticos, atualidade informativa-jornalística (informar o leitor sobre fatos, teorias e doutrinas), pedagogismo (intenção de ensinar alguma coisa, ideologia do autor) e a retórica culta ou consagrada (modo de escrever, consagrado pela literatura anterior).

Após a breve análise sobre o livro, Muniz Sodré fala sobre os folhetins, romances que eram publicados em jornais, uma das responsáveis pelo reconhecimento e sucesso de diversos escritores, já que aguçava a curiosidade dos leitores que ficavam aguardando os próximos capítulos das narrativas, tinham preços baixos, grande tiragem e era legitimada pelo seu consumo.

Duas palavras que o autor enfatiza quando se trata de folhetim ou best-seller são o entretenimento e a curiosidade, elementos buscados pelos leitores destas obras. De acordo com Sodré, diferente da literatura cultura que priorizava a língua e sua técnica, a literatura de massa se foca na intriga, através de sua estrutura clássica (princípio-tensão, clímax, desfecho e catarse).

Muniz Sodré comenta sobre o herói, personagem presente desde o gênero literário grego da epopeia e que faz sucesso até os dias atuais – alguns escritores e roteiristas, por exemplo, utilizam a estrutura da Jornada do Herói, inspirados nos heróis da mitologia grega, como Hércules. Segundo o autor, os leitores gostam de se projetar nos heróis, com seus desejos e vontade de escapar do cotidiano.

O pesquisador argumenta que o gênero predominante da literatura de massa é o épico (romance, conto, novela) e aborda um pouco sobre cada uma de suas subdivisões, como romance policial, ficção científica, romance de terror e romance sentimental, comentando escritores que fizeram e fazem sucesso nestes gêneros literários e caracterizando suas narrativas e protagonistas.

Algumas receitas e modelos de narrativas que conquistaram o público continuam sendo utilizados por autores, e para Muniz Sodré, somente o conteúdo dos elementos variam.

Os sucessos das radionovelas e novelas televisivas no Brasil são comentados. O que vende muito em outros países, como Estados Unidos e Londres, pode não ser desejado pela massa brasileira, que gosta de histórias em que se identificam com os personagens e suas realidades.

Apesar de ter sido publicado há mais de dez anos e os best-sellers de hoje não serem os mesmos daquela época, as obras analisadas por Muniz Sodré ainda fazem sucesso nos dias atuais e como suas estruturas de literatura de massa são reaproveitadas, o livro é uma ótima maneira de aprender mais sobre esses fenômenos de vendas e sua relação com a ideologia, produção e consumo.

*Ben Oliveira

Comentários

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana