Pular para o conteúdo principal

Destaques

My Shy Boss: Série de drama sul-coreano tem protagonista com fobia social e segredos

My Shy Boss (Introverted Boss/Naesungjukin Boseu/내성적인 보스) é uma série de drama romântico sul-coreano sobre a relação entre um chefe de uma empresa de Relações Públicas e uma jovem atriz extrovertida tentando descobrir a verdade sobre um acontecimento do passado que envolveu sua irmã. Lançada em 2017, a série da tvN (canal de televisão da Coreia do Sul) está disponível na Netflix Brasil por tempo indeterminado. Para quem sente falta de ver personagens com dificuldades de comunicação e interação em seriados, My Shy Boss tem Eun Hwan-ki (Yeon Woo-Jin) , um protagonista que evita o máximo possível falar com os funcionários de sua empresa, de forma que gera estranhamento nos outros. Sempre com seu casaco preto de capuz, sua timidez chama a atenção de forma negativa por onde passa. Até se acostumar com o personagem principal, fica difícil compreender alguns dos seus comportamentos. Se é contraditório para os próprios funcionários, para a família dele e até mesmo para alguns clientes insat

Inovações no Jornalismo: Mídias Sociais e Novos Suportes

O casal de jornalistas Cleidson Lima e Janaína Ivo ministrou uma palestra sobre Inovação no Jornalismo: Mídias Sociais e Novos Suportes, na Manhã Cultural desta terça-feira, 26 de novembro de 2013, na Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), em Campo Grande (MS).

Jornalistas Cleidson Lima e Janaína Ivo mostraram as possibilidades para se fazer jornalismo com
as novas tecnologias. Foto: Cristina Ramos.

Especialista em Comunicação Empresarial, Janaína comentou que o Jornalismo do Futuro nas grandes empresas de comunicação está passando por um processo de convergência. Neste novo cenário, o jornalista precisa estar preparado, já que segundo a palestrante, cada vez mais pessoas possuem acesso à internet no Brasil.

Com este aumento de usuários, Janaína Ivo apresentou um dado sobre 1 bilhão de usuários no mundo participarem de alguma rede social. Usando como referência essa informação, a palestrante questionou se é possível fazer Jornalismo nas Redes Sociais. “Os usuários têm buscado informação no Twitter, Facebook e Google. O Facebook pode ser sim um novo suporte para o jornalismo”, afirmou.

Na comunicação digital são levados em conta pontos como a interatividade, instantaneidade e multimidialidade. A jornalista explicou que se o jornalista entender as particularidades do meio digital ele pode se orientar e orientar os seus clientes. “Hoje eu posso não só criar campanhas promocionais para o Facebook, como também manter informado o público e os próprios jornalistas”, justifica. Com as empresas presentes nas mídias sociais, Janaína ensina que é necessário as corporações estarem dispostas a conversarem, se abriram este canal de comunicação, caso contrário é melhor nem criar um perfil.

Especialista em Tecnologia e jornalista do Correio do Estado, Cleidson Lima abordou alguns avanços tecnológicos da década de 60 que fizeram os profissionais da comunicação pensarem na necessidade de adequar sua forma de produção, como o jornal em microfilme, fitas magnéticas e revistas impressas com áudio.

“As pessoas não estão lendo ou mudaram de plataforma?”, propõe a reflexão. Mesmo com a evolução tecnológica, o especialista deu como exemplo um jornal do Japão em que aumentou a sua produção, contrastando com a realidade de outros países em que as pesquisas apontam que as tiragens dos jornais impressos estão diminuindo. “Não se trata somente da tecnologia, mas do hábito de leitura e da cultura”, justifica Cleidson Lima.

Quando se questionou sobre as pessoas estarem assistindo televisão ou não, o jornalista argumentou que muitos dos recursos da televisão são usados na internet, com a diferença de que no segundo meio há mais recursos para interação, logo mesmo assistindo pelo computador ou celular não deixa de ser conteúdo televisivo.

Entre muitas possibilidades, Cleidson Lima contou que não é preciso achar que um meio de comunicação vai eliminar o outro, pois é algo que sempre acontece em um cenário de transformações. “Comecem a enxergar a profissão de vocês não pelos meios que vocês têm hoje, mas pelos que vão ter no futuro”, aconselha. Entre os exemplos dados estão o Google Glass e o Newsgaming – “é a forma de você fazer jornalismo em forma de games”, definiu o especialista que também é fanático por videogames. Cleidson deu como exemplo de Newsgaming o Warco, um jogo que está sendo desenvolvido para tornar jornalistas correspondentes de guerra.





Comentários

Mais lidas da semana