Pular para o conteúdo principal

Destaques

Um Conto Taiwanês de Duas Cidades: Série de romance e drama explora raízes, sonhos e amores

Uma série de romance e drama sobre duas mulheres conectadas por suas raízes de Taiwan, mas que seguiram caminhos bem diferentes e com personalidades moldadas pelas cidades em que viveram: enquanto uma cresceu em San Francisco, nos Estados Unidos, a outra passou a vida inteira em Taipei. A série A Taiwanese Tale of Two Cities (Um Conto Taiwanês de Duas Cidades, 2018) balanceia os idiomas e experiências culturais dos dois países, criando uma experiência prazerosa para quem deseja visitar ambos destinos turísticos. Essa produção taiwanesa foi um dos achados na Netflix . A mulher que nunca saiu do país, abraça as raízes da medicina chinesa e por causa do seu histórico de saúde frágil abriu mão de muitas coisas fora de sua zona de conforto, Lee Nien-Nien (Tammy Chen) que coincidentemente sonhava em conhecer San Francisco, acaba conhecendo a taiwanesa-americana Josephine Huang (Peggy Tseng), que embora tivesse curiosidades sobre sua origem, passou praticamente a vida toda nos Estados Unidos

Leituras do final de Abril

Mais um mês se encerra. Abril se foi e do ponto de vista da leitura e produtividade da escrita vai deixar lembranças, já na vida pessoal nem tanto. Durante este mês li 17 livros, dos quais seis foram resenhados aqui para o blog: O Sincronicídio (Fabio Shiva), Sombras e Nefastos (Ricardo Bellissimo), Negro Amor (Ricardo Bellissimo), Sufoco (Ricardo Bellissimo), Bereshith, Segredos Profundos (Abraão Dias) e ! – Antologia de Contos Fantásticos (Org. Rubem Cabral).

Os livros que eu havia lido e havia me proposto a ler até o final do mês podem ser conferidos no post: Leituras de Abril. Alguns livros eu não terminei de ler, estou intercalando a leitura e pegando mais base para retomar depois, como Anatomia da Crítica (Northrop Frye) e Para Ler Como um Escritor (Francine Prose).


Esta semana fui na Saraiva e comprei quatro livros relacionados à escrita e literatura, dos quais dois eu já terminei de ler:

A Personagem – Beth Brait: o texto simples e direto apresenta algumas informações sobre o papel das personagens na literatura. Esperava um pouco mais do livro, mas com menos de 100 páginas e um tom introdutório foi o suficiente para anotar algumas obras recomendadas ao longo do livro e na bibliografia comentada.

Como Analisar Narrativas – Cândida Vilares Gancho: o livro também faz parte da série Princípios e foi publicado pela Editora Ática, a mesma de A Personagem. O texto dá uma breve noção ao leitor de como analisar narrativas, de acordo com o seu gênero literário, enredo, narrador, tempo, espaço e personagens. Também vale a pena como introdução e aproveitar as referências bibliográficas para se aprofundar melhor no assunto.

Ainda nesta lista dos livros que comprei esta semana está A Espécie Fabuladora: Um Breve Estudo Sobre a Humanidade, escrito por Nancy Huston. Já estou na metade do livro e amando cada página. O ensaio aborda questões sobre a humanidade, na qual a autora afirma que todos os seres humanos são contadores de histórias e que precisamos da ficção para dar sentido às nossas próprias existências. Uma dose de literatura, psicanálise e experiências pessoais, Nancy Huston propõe reflexões prazerosas.

À medida que estou revisando um romance e pensando em maneiras de melhorá-lo, estou lendo em doses homeopáticas o livro Writing a Novel and Getting Published For Dummies, do George Green e Lizzy Kremer. O livro é bem prático para quem quer aprender mais sobre a escrita de romance, construção de personagens, estruturação da narrativa, com vários exemplos do que fazer ou não, referências e recomendações de leitura.

Aproveitei que minha irmã está viajando para ler dois livros Young-adults dela: Maldosas e Impecáveis, ambos da série Pretty Little Liars, escritos por Sara Shepard. Apesar de já saber praticamente tudo o que acontece com os personagens por causa da série televisiva, gostei da maneira que a história é narrada e pude perceber a dificuldade de transformar em imagens alguns recursos possibilitados pela linguagem textual, como os pensamentos.

Também comecei a ler Laranja Mecânica, do Anthony Burgess. Aliás, até agora só li as notas do tradutor. Quero ler a obra com calma. Fiquei impressionado com as dificuldades que os tradutores encontram para tornar a obra mais legível e fico me perguntando até que ponto a tradução ajuda ou atrapalha no entendimento das ideias propostas pelo escritor, já que ele inventou algumas palavras em uma mistura de inglês e russo que são intraduzíveis para o português, mas mesmo assim encontraram alguns termos para substitui-las.

Literatura e Sociedade, do Antonio Candido, entra na lista dos livros que devo começar a ler no início de maio.

Autor ou editora interessado em parceria, entre em contato: ben-oliveira@hotmail.com

E você, o que tem lido? Alguma recomendação de leitura? Abraços a todos!

Comentários

Mais lidas da semana