Pular para o conteúdo principal

Destaques

Diversidade Invisível: Assista a palestra com autista diagnosticada aos 35 anos

Nos últimos anos, houve um aumento da disseminação de informações sobre autismo na internet. Embora a visão de profissionais da saúde seja importante, muitos autistas têm contado o seu lado da história. Na palestra Invisible Diversity, a redatora freelancer e vlogger Carrie Beckwith-Fellows compartilha sua história de como foi diagnosticada aos 35 anos e de como isso a possibilitou enxergar a vida através de uma nova perspectiva.


Carrie conta sobre os inúmeros diagnósticos errados que recebeu ao longo da vida. Para quem não sabe. além de ser difícil encontrar profissionais que entendam de autismo em muitos países, como alguns autistas aprendem a mascarar seus traços autísticos ao longo da vida, ainda é complicado para algumas pessoas reconheceram que estão no espectro autista e/ou encontrar quem possa fechar o diagnóstico formal.

“Existe um grupo de pessoas de voz única, cuja grande diversidade está tão bem escondida que é invisível, mesmo para elas mesmas [...] As pessoas autistas vee…

Teorias do Jornalismo: Teoria do Espelho

Influenciada pela invenção da fotografia, a Teoria do Espelho relatava que a realidade é reproduzida por meio da imagem, sem intervenções subjetivas. Seguindo o modelo positivista, a teoria é a favor da racionalidade. A falta de subjetividade nas fotografias também é um assunto bastante criticado, inclusive pelo filósofo e semiólogo francês Roland Barthes. A fotografia tenta retratar a realidade, assim como a notícia, mas não é a realidade em si. De acordo com a Teoria do Espelho, o fotojornalismo deve, assim como o jornalismo, representar a realidade, mas na prática não é o que acontece. Por exemplo, por meio dos critérios de noticiabilidade do fotojornalismo, algumas fotografias são publicadas e outras não, além das fotomontagens, das fotos posadas e atualmente, por meio das manipulações digitais, que muitas vezes são tão bem produzidas que é impossível discernir o que foi ou não manipulado.

A subjetividade é ora implícita, ora explícita, presente nas notícias. A falta de uma leitura crítica faz com que os receptores acabem sendo influenciados pela opinião do jornalista. Um bom exercício para refutar a Teoria do Espelho pode ser feito diariamente por meio da leitura crítica de diferentes veículos de comunicação, principalmente quando são notícias sobre política. Se a teoria prega a representação da realidade, de forma imparcial, por que diferentes publicações jornalísticas dão diferentes enfoques para suas notícias, muitas vezes, deixando claro com suas ideologias se são contra ou a favor de determinado acontecimento.

Questiona-se o atual papel do jornalista. Com os avanços tecnológicos e a enorme quantidade de informações disponíveis na rede, muitos jornais além de publicarem os releases, acabam reproduzindo notícias de outros jornais. Nos debates da área sobre o jornalismo aborda-se que se o jornalista antes era um mero reprodutor da realidade, agora este poderá tornar-se um mero gatekeeper. A seleção de notícias é fundamental, mas será que o papel do jornalista será cumprido somente na função de editor?


Reproduzir as informações e selecioná-las, premissas de teorias que poderiam ser mais completas se relacionadas entre si e com outras teorias jornalísticas, mas que separadas parecem ser insuficientes para descrever uma atividade tão importante para a sociedade e para a democracia, como o jornalismo.

Mais debates e reflexões na área das teorias jornalísticas são necessários. Entender a importância da elaboração de teorias, como as do Espelho e do Gatekeeper, que são as mais antigas e estão com seus conceitos limitados, fará com que o jornalismo deixe de ser pensado somente como um modelo reprodutivo e seletivo, características marcantes das duas teorias abordadas. A maioria dos jornalistas acaba fazendo parte de um sistema que não têm a mínima idéia de suas origens e funcionalidades, um sistema que futuramente poderá até ser substituído por máquinas, já que em grande parte do tempo está isento da reflexão e pensamento crítico. Em uma época em que o jornalismo é uma indústria, o que diferencia os jornalistas de máquinas, quando estes se comportam como seres robóticos, automatizados, com funções óbvias e “pré-definidas”?

Mais Teorias do Jornalismo:

Comentários

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana