Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Responsabilidade e experiência como moderador de grupo

Quando eu fui moderador de um grupo de autismo com milhares de pessoas (mais de 18 mil, se não estou enganado, sem falar as centenas de solicitações em espera), eu removia comentários e posts sobre tratamentos falsos e pessoas tentando promover eventos DUVIDOSOS de autismo (existem muitos).


Não importava se estava escrito nas regras, um post ou outro sempre passava, porque nem todo mundo tinha a mesma compreensão sobre pseudotratamentos e autismo e um dos moderadores sempre liberava.

Todo moderador/administrador tem responsabilidade sobre o que acontece dentro de um grupo, página, blog, que seja.

Eu e a Rivotrip​ chegamos a bater boca com anti-vacinas na madrugada. Fomos os últimos moderadores autistas do grupo. O resto era familiar.

Se no seu grupo passam vários podres e você não está moderando, você pode se sujar junto. É algo que vai além da imagem e credibilidade, especialmente quando se tratam de tratamentos proibidos e perigosos.

Mais consciência e responsabilidade.

Para as pess…

Teorias do Jornalismo: Newsmaking

A Teoria do Newsmaking se opõe a Teoria do Espelho, ao rejeitar que as notícias não são reflexos da realidade, e defende que o jornalismo é uma construção da realidade. De acordo com os principais teóricos desta teoria, como Halloran, Berger, Luckman, Cohen, Young, Tuchman, este novo paradigma surgido nos anos 70 rejeita a Teoria do Espelho por três razoes principais: “É impossível estabelecer uma distinção radical entre a realidade e os media noticiosos que devem mostrar por que as notícias ajudam a construir a própria realidade; Defende a idéia que a própria linguagem não pode funcionar como comunicadora direta do significado inerente aos acontecimentos, por que a linguagem neutral é impossível; É da opinião de que os media noticiosos constroem de forma inevitável a sua representação dos acontecimentos”.

Newsmakers

Jornalista e publicitária, a Doutora em Ciências Políticas Maria Tereza Garcia conta em seu artigo “Violência e Medo, elementos extintos no newsmaking do jornalismo público”, que o Newsmaking leva em consideração o jornalista por meio de seu repertório, vivência e experiência no momento em que vai definir qual será o tema e a construção da notícia, preocupando-se também com os interesses do veículo em que trabalha, mas desconsiderando o público.

De acordo com a Teoria do Newsmaking, as notícias não são distorções da realidade e não cabe ao jornalista com suas atitudes políticas o papel de determinante no processo de produção das notícias. A socióloga Gaye Tuchman ressalta alguns pontos que devem ser levado em consideração, como considerar a notícia como uma estória, é admitir que esta tem uma realidade construída e uma própria realidade interna, não que esta seja fictícia. Ainda de acordo com Tuchman, por mais que o jornalista tente participar ativamente na construção da realidade, este profissional ausente da autonomia estará sempre submisso a um planejamento produtivo. O jornalista Felipe Pena dá como exemplo uma situação em que um repórter televisivo tem uma boa história sobre o Governo para contar e de alta relevância para a população, mas acaba esbarrando em fatores como a falta de tempo para editar a matéria. Seguindo a lógica de produção, a prioridade acaba sendo a de abordar a figura mais representativa, o que não indica necessariamente que o conteúdo esteja sendo manipulado a favor do Governo. Esta situação me faz refletir no sentido de quê se o tempo é um dos fatores limitantes, por que não aguardar uma próxima edição para abordar o que aconteceu com diferentes enfoques, procurando mostrar fontes que não sejam somente as oficiais. Se o assunto é de relevância para a população, nada mais justo que a informação seja tratada com seriedade e aprofundamento necessários.

Por que alguns fatos têm mais chances de tornarem notícias do que outros? Na Teoria do Newsmaking, o que define o que poderá ser noticiado ou não, dentre diversos assuntos, já que existe uma limitação, são os critérios de noticiabilidade. Enquanto algumas informações são de importância para a sociedade e deveriam ser assuntos pautados em diversos veículos de comunicação, mas não se tornam notícias, existem aqueles casos em que envolvido a um acontecimento está um personagem famoso e acaba tornando-se destaque nacional ou até mesmo, internacional. Um exemplo bastante atual foi o casamento real britânico entre o príncipe William e Kate Middleton. Alguns jornais televisivos, publicações impressas, jornais online e radiojornais abordaram com bastante frequência informações sobre o acontecimento, além da transformação em notícias de assuntos pouco relevantes relacionados ao casamento.

Com tantas informações mais importantes para se transmitirem, por que optar por uma sensacionalista? O envolvimento de pessoas famosas implica uma maior possibilidade de se transformar o acontecimento em notícia e como a mídia de massa supostamente divulga o que é de interesse público, esta consegue influenciar a população.

É importante diferenciar o quê o público quer como informação e o quê a mídia deve informar para o público. Muitas vezes, preocupados com a audiência, os veículos jornalísticos acabam perdendo o propósito de suas funções.

Leia também:

Comentários

  1. O importante é focamos bem informado e sempre esta em busca de Conhecimento. I Study English People Sorry . Isto People é Conhecimento. Ninguém te Rouba é seu é so Compartilhar com Aqueles que querem Adquirir Conhecimento.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana