Pular para o conteúdo principal

Destaques

A História do Autismo: 10 Motivos para ler o livro Outra Sintonia

Dizem que quem não conhece o próprio passado está fadado a repeti-lo. No mundo do autismo isso fica muito claro, especialmente quando questões que já foram discutidas em outros países chegam atrasadas ao Brasil. Para quem quer entender um pouco sobre todas transformações sociais do mundo do autismo, recomendo o livro Outra Sintonia: A História do Autismo, dos jornalistas John Donvan e Caren Zucker, publicado no Brasil pela Editora Companhia das Letras, em 2017, com tradução de Luiz A. de Araújo.



Compre o livro Outra Sintonia: A História do Autismo: https://amzn.to/2lMNRTJ

Desde sua origem, o autismo passou por uma série de problemas, desde suas definições e percepções dos profissionais envolvidos com a pesquisa e a atuação clínica, passando pelas descobertas e tratamentos, pelas questões políticas e diferentes perspectivas e mais recentemente, pelas polarizações.

A história do autismo é toda construída em cima de luta, de desejos e de crenças, que afetaram positivamente e negativamente…

Jornalista Rodrigo Nascimento fala sobre a habilitação de Rádio e TV

*Texto: Ben Oliveira

O jornalista Rodrigo Nascimento visitou a Universidade Católica Dom Bosco (UCDB) na manhã desta terça-feira, 29 de novembro, a pedido da professora do curso de Publicidade e Propaganda Claudia Ruas, para ministrar uma palestra aos alunos sobre o Profissional de Rádio e TV e como essa segunda habilitação o ajudou a ser bem sucedido no mercado de trabalho.

Jornalista Rodrigo Nascimento conversou com alunos
de Comunicação Social da UCDB sobre a área de
 Rádio e TV. Foto: Ben Oliveira.
Segundo Rodrigo Nascimento, na área de Rádio e TV é possível conhecer tudo da parte de trás de um programa de televisão, um telejornal, um programa de rádio, além de apresentar programas e fazer reportagens que não tenham cunho jornalístico. “São mais de 100 funções diferentes do Rádio e TV. Só que o mais interessante do profissional de Rádio e TV é entender como funcionam os bastidores da televisão”, acredita.

Da mesma forma que os outros palestrantes (Tadeu Braga e Ana Maria Assis de Oliveira) que visitaram a instituição e falaram sobre a importância dos alunos aproveitarem os laboratórios e os professores no período da graduação, Rodrigo Nascimento afirmou que é preciso criar, investir e errar, já que o mercado de trabalho está cada vez mais exigente e quer um profissional pronto. “Vocês devem usar ao máximo os laboratórios, porque lá no mercado não dá tempo de errar”, justifica.

Para quem está no começo da graduação e ainda não está estagiando, Rodrigo recomendou procurar obter essa experiência no mercado de trabalho desde já. “Não deixem para o 6º ou 7º semestre porque é muito tarde. O estágio é melhor para vocês aprenderem na empresa e a oportunidade de contratação é muito maior”, aconselha. Ainda de acordo com o jornalista, mesmo na área dos estágios os empregadores estão procurando alunos que tenham afinidade com determinada área. “Nunca se limite ao que foi dito dentro em sala de aula. A gente aprende com o que é feito na prática”, ensina.

“Quem falar que já está pronto para o mercado de trabalho, o sabe-tudo, eu digo que é mentira. A cada dia você aprende alguma coisa”. Com a internet, Rodrigo Nascimento disse que é possível acessar muitas coisas interessantes e desenvolver diversos conteúdos de forma experimental e criativa, característica fundamental para o profissional de comunicação, como os jornalistas. “Abra um blog, faça podcasts. O jeito é inovar”, orienta. Para o palestrante, existem várias oportunidades, basta o aluno ou o profissional terem iniciativa e correrem atrás.

Quando questionado sobre como a graduação em Rádio e TV complementou a de Jornalismo, Rodrigo Nascimento contou que esta lhe ajudou a ter mais liberdade. “Eu acredito que se eu tivesse feito só Jornalismo, eu teria sido um apresentador engessado”, completa.

Algumas dicas deixadas pelo palestrante:

– “Profissional da comunicação tem que ter friozinho na barriga, encarar e não ter vergonha”.

– “Não espere cair uma oportunidade no colo de vocês. Corram atrás, para vocês se aperfeiçoarem”.

– “Se você tem uma matéria em que você pode brincar com o texto, ir além do que a pauta te permite, você deve fazer isso”.

– “É sempre bom vocês verem televisão, verem bons telejornais, para terem uma boa leitura”.

– “O profissional que se diferencia no mercado é aquele que arrisca e não tem medo de errar”.

– “Por mais que você tenha uma certa noção de telejornalismo, de jornalismo... Você tem que saber ter certa educação, desde morador de rua até o presidente da República, vocês devem tratar de forma igualitária”.

– “Eu acredito que hoje os profissionais têm que trabalhar a interatividade e também trabalhar com a mídia televisiva. Um não compete com o outro, você tem que juntar as duas ferramentas”.

Sobre o palestrante – Rodrigo Nascimento atualmente trabalha como repórter e âncora da TV Guanandi (Bandeirantes). Entre as empresas que ele já trabalhou estão o Portal da Educação e o Canal do Boi, onde foi Chefe de Redação. Formado em Rádio e TV pela UCDB, em 2009; em Jornalismo pela Uniderp, em 2010 e pós-graduado em Mídias Sociais pela Estácio de Sá, em 2012.

Comentários

Mais lidas da semana