Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Jornalista fala sobre os caminhos do profissional da comunicação

A jornalista Ana Maria Assis de Oliveira visitou a Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), ontem, 17 de setembro, e realizou uma palestra para os alunos de Comunicação Social sobre Jornalismo e os caminhos do profissional da comunicação.

Jornalista Ana Maria Assis de Oliveira
Formada em 2009 em Jornalismo na UCDB, a jornalista foi convidada pela Coordenadora do Curso de Publicidade e Propaganda da UCDB, Claudia Ruas, para compartilhar um pouco dos seus conhecimentos sobre a atuação profissional e de sua própria experiência.

Ana Maria Assis de Oliveira conta que apesar de ter se formado há quatro anos, neste tempo já passou por jornalismo impresso, jornalismo online e assessoria de imprensa, onde também precisou criar ações para televisão e rádio. "Uma hora tem espaço num lugar. Outra hora em outro lugar. E se você não tiver flexibilidade, no nosso mercado de comunicação, você não tem emprego", recomenda.

Assim como o publicitário Tadeu Braga que também recomendou aos alunos aproveitarem a estrutura da universidade e os professores para a obtenção de experiência e conhecimento, a jornalista Ana Maria falou que através dos trabalhos da faculdade realizados no Labcom – Laboratório de Comunicação fazem toda diferença quando os alunos concluem a graduação e entram no mercado de trabalho, além de estabelecer e estreitar relações com suas fontes e ficar conhecido.

Segundo Ana Maria Assis de Oliveira, muitas pessoas escolhem a área de comunicação porque são apaixonados, com isto em mente os alunos podem disfrutar melhor, diferente de outras graduações em que os acadêmicos, geralmente, escolhem o curso por influência da família. Para a jornalista, durante os anos de graduação em Jornalismo, assim como em outros cursos, alguns estudantes descobrem que não era o que gostariam de fazer. A palestrante deixou algumas dicas para quem deseja saber se escolheu o curso certo:

– Escrever

 Escrever é importante. Mesmo aos alunos que desejam atuar na área de telejornalismo, Ana Maria ressalta que é necessário saber escrever seus textos. De acordo com a palestrante, dependendo da área escolhida, como no jornalismo online, o profissional precisa escrever muito rápido e o mesmo é massacrado pelas pessoas quando comete algum erro de digitação. “Você tem que gostar de escrever e de ler. Porque quem não lê, não escreve”,.

– Conversar

Ana Maria afirma que o jornalista precisa ter uma conversa dinâmica com o entrevistado.

– Conhecer 

“Tem que ter uma vontade de conhecer. De entender o que o entrevistado está falando. O jornalista erra na hora de escrever uma matéria quando ela não quer entender”, declara. Ana Maria ensina que é preciso entender o assunto para passar a informação para o leitor em uma linguagem mais informal, afinal, “hoje em dia todo mundo lê notícia”, exceto quando se tratam de revistas segmentadas.

– Pesquisa

Ana Maria Assis de Oliveira contou que o estágio é uma oportunidade descobrir os seus gostos e habilidades, compartilhando um pouco do que aprendeu em cada um dos locais onde estagiou, como Assessoria de Imprensa da UCDB, Conab, Conselho Regional de Administração e Ministério Público Federal.

Na palestra a jornalista falou um pouco do perfil de cada área do Jornalismo, auxiliando quem tem dúvida, como a correria do jornalismo online, um pouco mais de tempo e aprofundamento no jornalismo impresso, a necessidade de gostar de escrever para resumir as informações na televisão e rádio e a experiência de passar por uma redação, antes de entrar na assessoria de imprensa. "Os melhores assessores de imprensa já passaram por uma redação. E o novo assessor de imprensa precisa ser multimídia", aconselha.

O que ameaça o jornalismo? Ana Maria falou que o jornalista é pessimista e crítico e sempre acha que os avanços tecnológicos vão ameaçar a área. "Nada pode impedir um bom profissional de ser bem sucedido no que faz. Apenas sua própria inerte", critica. A palestrante comentou que hoje em dia o profissional também precisa saber atuar com gestão de redes sociais, edição, pauta, abastecimento de blogs e escrever para públicos diversos. "Apenas 'fazer' nunca vai bastar. Será preciso ser o melhor naquilo que escolher. Portanto, faça o que você gosta. Ninguém é o melhor sem ter amor pelo que faz", aconselha a jornalista.

Ana Maria Assis de Oliveira já trabalhou no Capital News, O Estado, Campo Grande News, MS Repórter, Fato Notório, Agência Resultado e Fundação de Cultura de Campo Grande.

*Texto: Ben Oliveira

Comentários

Mais lidas da semana