Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

5 Trechos do livro Zen e a Arte da Escrita (Ray Bradbury)

Zen e a Arte da Escrita é um dos meus livros favoritos sobre a arte de escrever. Como todo ofício que exige dedicação, disciplina e paciência, o escritor norte-americano Ray Bradbury compartilha como seu processo de criação literária foi influenciado pelo estado Zen, inspirado em sua admiração pelo budismo e a relação entre a vida e a criatividade.


Compre o eBook Zen e a Arte da Escrita: https://amzn.to/2RhnwI2

Publicado originalmente em 1989, no Brasil, o livro foi publicado pela Editora Leya, em 2012. Em uma série de ensaios, Ray Bradbury compara a escrita à prática meditativa, seja como uma forma de encontrar tranquilidade e não se deixar enlouquecer ou como uma maneira de se engajar com a atividade de forma a deixar as coisas fluírem (flow).

No prefácio do livro, o escritor conta que quanto mais ele ficava sem escrever, maior era o seu mal-estar e compara a hora da escrita a um tônico. Os ensaios foram escritos em um período de 30 anos e segundo Ray Bradbury revelam sua admiração e autocontemplação sempre que se permitia ir fundo. O autor compara o escritor ao pianista, reforçando a importância da prática constante.

Confira 5 Trechos do livro Zen e a Arte da Escrita (Ray Bradbury):


“Toda manhã eu pulo da cama e piso em uma mina terrestre. A mina terrestre sou eu. Depois da explosão, eu passo o resto do dia juntando as peças. Agora é sua vez. Pule!”

“O enredo nada mais é do que pegadas deixadas na neve depois que seus personagens passaram por seu caminho para destinos incríveis”. 

“Leia poesia todos os dias da sua vida. A poesia é boa porque ela flexiona os músculos que você não usa com frequência suficiente. A poesia expande os sentidos e os mantém em ótimas condições. Mantém você ciente do seu nariz, seu olho, seu ouvido, sua língua, sua mão. E, acima de tudo, a poesia é uma metáfora compactada ou semelhante. Tais metáforas, como as flores de papel japonesas, podem se expandir em formas gigantescas. Idéias se encontram em todos os lugares através dos livros de poesia, mas quão raramente eu ouvi professores de contos recomendando-os para a navegação”. 

“Se você não escrevesse todos os dias, os venenos se acumulariam e você começaria a morrer, ou a agir maluco, ou ambos. Você deve ficar bêbado da escrita para que a realidade não possa destruí-lo”. 

“Se parece que eu cheguei o caminho mais longo, talvez eu tenha. Mas eu queria mostrar o que todos nós temos em nós, que sempre esteve lá, e poucos de nós nos incomodamos em notar. Quando as pessoas me perguntam onde eu tiro minhas idéias, eu rio. Que estranho - estamos tão ocupados olhando para fora, para encontrar maneiras e meios, nos esquecemos de olhar para dentro”.

Sobre o autor – Ray Bradbury publicou mais de 500 contos, histórias, romances, roteiros e poemas desde que a sua primeira história foi publicada na revista Weird Tales quando ele tinha apenas 20 anos. De seus trabalhos mais conhecidos destacam-se os já clássicos “Fahrenheit 451” (uma homenagem aos livros e à literatura), “O vinho da alegria” e “As crônicas marcianas”.

Leia também: 

7 Comentários de Natalie Goldberg sobre a arte da Escrita Zen

6 Comentários de Virginia Woolf sobre a leitura de livros

5 Comentários de Anne Rice sobre a Escrita

10 Palestras com escritores no TED que você precisa assistir

7 Palestras sobre Criatividade no TED que você precisa assistir

38 Livros Sobre Criatividade e Escrita

5 Trechos do livro Cérebro e Meditação (Wolf Singer e Matthieu Ricard)

Comentários

Mais lidas da semana