Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Pandemia: Postura de Bolsonaro e problemas nos contratos das vacinas aumentaram rejeição ao presidente

A CPI da Pandemia tem pautado discussões nas redes sociais e as informações descobertas nas investigações estão presentes quase que diariamente na imprensa nacional e chegou a veículos internacionais, especialmente porque os contratos irregulares de vacinas são fechados com empresas de outros países, como a Covaxin, que é da Índia. 

Diante de suspeitas de corrupção e escândalos, o presidente Jair Bolsonaro que está sendo investigado por prevaricação tem tentado passar a imagem de que não está se importando. Nesta quinta-feira, 8 de julho de 2021, senadores da CPI da Pandemia protocolaram uma carta ao presidente, para que ele explicasse as denúncias feitas pelo deputado Luis Miranda, que levou até ele as possíveis irregularidades no contrato de vacina Covaxin.

Em sua live semanal, Bolsonaro mencionou sobre o episódio e respondeu: “Caguei para a CPI. Não vou responder nada”. Uma postura completamente diferente da que se espera de um presidente. Parte do Brasil sabia que seria assim, enquanto outra parte quis pagar para ver.

Embora Bolsonaro tente ignorar, a CPI da Pandemia, o atraso na vacinação e quantidade insuficiente de vacinas, as investigações e suspeitas de corrupção, bem como todas mudanças no Ministério da Saúde e funcionários exonerados têm aumentado sua rejeição. 

Desde o início do mandato, o Datafolha tem feito pesquisas sobre o presidente Bolsonaro e a pesquisa mais recente divulgada hoje revelou que ele bateu o recorde de rejeição: 51% avaliaram como péssimo ou ruim, enquanto somente 24% consideram ótimo ou bom e 24% consideram regular e 1% não soube responder.

Além disso, a pesquisa do Datafolha revelou que a maioria o considera um presidente despreparado, desonesto, incompetente, falso, pouco inteligente e autoritário, características que não combinam com o cargo público mais importante do país.

Hoje, a depoente da CPI da Pandemia, a ex-coordenadora do PNI do Ministério da Saúde Francieli Fantinato contou que deixou o cargo no início do mês, alegando que houve politização da vacinação. Ela comentou que o Programa Nacional de Imunizações não deu certo porque faltaram vacinas e também alegou a falta de uma campanha publicitária de vacinação. 

Francieli também ressaltou que por dúvidas à vacinação atrapalha o Programa de Imunização, algo que Bolsonaro fez inúmeras vezes em declarações públicas, mas ela lembrou que deveria ser evitado independente do cargo. Outro ponto levantado e preocupante foi de que Elcio Franco teria sugerido a remoção de presos do grupo prioritário de vacinação. Senadores lembraram que além de colocar a vida deles em risco, a decisão também não leva em conta as famílias que visitam os detentos.

Conforme as investigações da CPI da Pandemia avançam, além da identificação das ações e omissões do governo federal, também fica claro que funcionários tinham dificuldade para exercer suas funções, pois sempre tinha alguém em nível hierárquico maior fazendo intervenções – seja por negacionismo ou por intenções financeiras que podem ser caracterizadas como criminais.

Em um Brasil que sempre foi exemplo de imunização, a narrativa de que não vacinamos o suficiente por falta de vacinas não cola, quando vários contratos foram negados diversas vezes e até os dias atuais Bolsonaro continua espalhando inverdades sobre a pandemia aos setes ventos. 

Logo, além de ter atrapalhado a aquisição das vacinas, por meio de estratégias de desinformação, Bolsonaro que deveria incentivar a vacinação como autoridade, só aumenta as dúvidas das pessoas que já tinham alguma resistência, fazendo com que a pandemia se prolongue.

Leia também: Prometo Pausar: Campanha da ONU incentiva o combate à desinformação e compartilhamento responsável 

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana