Pular para o conteúdo principal

Destaques

Mindhunter Profile 2: Especialista em serial killers compartilha experiências após aposentadoria do FBI

Após se aposentar do FBI , o ex-agente especialista em assassinos continuou sendo convidado para colaborar em alguns casos que exigiam entender melhor o perfil psicológico dos criminosos. No livro Mindhunter Profile 2 , dos autores Robert K. Ressler e Tom Snachtman , é possível conhecer um pouco mais da história de vida desta figura que deixou uma boa contribuição para a criminologia e compreensão sobre as mentes de serial killers. A obra foi publicada pela editora DarkSide Books , em 2021, com tradução de Alexandre Boide. Compre o livro Mindhunter Profile 2:  https://amzn.to/39qJjId Entre os casos explorados no livro há um que desperta o interesse por envolver algo não tão desconhecido, como o uso de transtornos mentais para diminuir as penas. Ressler percebeu um fenômeno de ex-soldados que usavam o Transtorno do Estresse Pós-Traumático como uma justificativa quando cometiam crimes e notou que muitas vezes, os históricos dos assassinos não eram checados e muitos inventavam histórias

Teorias do Jornalismo: Teoria dos Definidores Primários

Quem são os responsáveis pela manipulação das notícias? De acordo com a Teoria dos Definidores de Opinião ou Definidores Primários esta responsabilidade não é somente do jornalista, mas também de fontes privilegiadas, como as oficiais, que tem certo poder na construção das notícias e da pressão exercida dentro das redações. Procurados pela credibilidade, as fontes oficiais podem utilizar os jornalistas como um meio ou instrumento (por isto, instrumentalista) para atingirem os seus objetivos. Os jornalistas são considerados engrenagens de um sistema capitalista, mas também são influenciados pelas rotinas nas redações para a produção das notícias. Afinal, por que definidores primários? São considerados definidores primários, pois essas fontes são as primeiras a serem procuradas pelos jornalistas para falarem a respeito de determinado assunto, devido à sua legitimidade e influência.


Para os teóricos da Teoria dos Definidores Primários, as fontes promovem acontecimentos, e se já foram passivos diante da relação com a mídia e na produção de notícias, atualmente são pró-ativos. Existem fontes que inclusive passam por um treinamento de mídia, conhecido como media trainning, para aprenderem a como se comunicar melhor e lidar com a imprensa. Seguindo a lógica de Nelson Traquina, que procura explicar através das teorias porque as notícias são como são, poderíamos dizer que na Teoria dos Definidores de Opinião: “as notícias são como são porque as fontes privilegiadas decidem o formato e o conteúdo delas”.

Felipe Pena explica em seu livro ‘Teorias do Jornalismo’ que as fontes primárias não fazem parte da maioria da população, são pessoas com conhecimento, autoridades no assunto ou representantes das factualidades sociais. Na área de economia os definidores primários são visualizados com facilidade, já que como lembra o autor, o que é dito por autoridades, ministros e especialistas são transformados em notícias econômicas para os diversos meios de comunicação.

As Teorias dos Definidores Primários e do Agendamento mostram uma falha bastante comum no jornalismo: quando um jornalista entrevista uma autoridade sobre determinado assunto, este publica uma notícia sem nem mesmo confirmá-la com outras fontes, pois foi dito por alguém que realmente entende do assunto, como conseqüência, temos a população como receptora desta informação que é influenciada pelo que foi divulgado, de forma negativa ou positiva. Não é porque algo foi dito por uma fonte oficial que a informação é necessariamente verdadeira, sabemos da influência que ocorre, principalmente em épocas de eleições. Portanto, é essencial que as informações sejam apuradas, por mais que tenham sido ditas por especialistas, para que no final, a influência seja benéfica para a sociedade.

Jogos de poder e influência acontecem entre a mídia, população e Governo. Ora a sociedade é influenciada pela mídia, ora a mídia é influenciada pelo Governo com suas fontes oficiais e também pelas fontes oficiosas, os famosos especialistas que dão credibilidade às notícias, que conseqüentemente influenciam novamente a sociedade.

Seja um instrumento ou funções que fazem parte de um processo, aprendemos com as Teorias do Agendamento e dos Definidores Primários que o jornalismo influencia e é influenciado pelas relações de poder. A sociedade, como parte deste processo, que aliás é uma das mais afetadas, merece que o jornalismo cumpra com suas funções e aproveite sua influência de forma produtiva. Conscientes da influência das fontes e de como podem influenciar a população, os jornalistas podem e devem ser mais críticos e intelectuais.

Comentários

Mais lidas da semana