Pular para o conteúdo principal

Destaques

Documentário da Netflix aborda caso Elisa Lam e histórico mórbido do Cecil Hotel

Dependendo da sua idade e do quanto você é ligado às notícias e ao mundo online, é bem provável que você tenha ouvido falar sobre o caso da Elisa Lam , uma canadense descendente de chineses que  viajou para os Estados Unidos e morreu em um hotel de Los Angeles . O caso polêmico na época foi explorado na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil (Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel) , dirigido pelo norte-americano Joe Berlinger e distribuído pela Netflix , em 2021. Em quatro episódios, de forma linear, é contada a história de como Elisa Lam foi parar no Cecil Hotel e um pouco de sua personalidade no mundo digital e afinidade com o Tumblr. Importante mencionar que o documentário não traz entrevistas com os familiares de Elisa Lam. Se nem os próprios familiares conhecem a fundo uma pessoa, me pergunto por que há tantas pessoas aleatórias na internet e fãs de teorias da conspiração que se sentem no direito de dizer que algo poderia ou não ter acontecido. 

72 Horas de Jornalismo – Alunos participam de reunião sobre o evento da UCDB

Na manhã de hoje, na redação do Em Foco – jornal-laboratório do curso de Jornalismo da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), de Campo Grande (MS), cerca de 20 alunos e dois professores da graduação se reuniram para conversar sobre a terceira edição do 72 Horas de Jornalismo. O evento tem como proposta levar acadêmicos de Comunicação Social da instituição para conhecerem os veículos de comunicação da capital sul-mato-grossense.

Alunos e professores se reúnem na redação do Em Foco para organizarem o 72 Horas de Jornalismo. Foto: Ben Oliveira.
Durante a manhã, os alunos que já participaram e os que entraram neste ano na universidade interessados em serem monitores do 72 Horas de Jornalismo, descobriram algumas novidades do evento.

Esta é a terceira vez em que eu participarei do 72 Horas de Jornalismo. Criado em 2011 pelo Coordenador do Curso de Jornalismo da UCDB, Oswaldo Ribeiro, o primeiro dia do evento permite aos alunos visitarem algum veículo de comunicação (Televisão, Rádio, Internet, Assessoria de Imprensa e Impresso – Jornal e Revista) da cidade, acompanhar as atividades realizadas, tirar suas dúvidas com os profissionais e conhecer algumas das particularidades do meio de comunicação escolhido. Seja no período da manhã ou da tarde, os acadêmicos podem ver de perto o jornalista atuando, entendendo como funciona uma reunião de pauta, reportagem, gravação de programa de televisão, locução de rádio, entrevista, entre outras funções realizadas na área de Jornalismo.

Após a visita aos veículos de comunicação, os estudantes podem colocar em prática um pouco do que aprenderam no segundo dia do 72 Horas de Jornalismo. Quem foi para um jornal impresso, por exemplo, deve realizar uma reportagem contando sobre a própria visita ou sobre os outros lugares visitados, aplicando a técnica jornalística da entrevista com os outros alunos, transmitindo as informações colhidas em campo e usando fotografias para complementar a matéria. Os alunos criam produtos jornalísticos de acordo com o meio de comunicação visitado. Assim como citado a reportagem para jornal impresso, também pode produzir uma matéria para o jornal online, um programa de televisão, um programa de rádio, além da utilização das mídias sociais para manter os acadêmicos informados e compartilhar fotos do 72 Horas de Jornalismo.

No último dia do evento, os acadêmicos expõem o conteúdo criado para alguns dos profissionais dos veículos de comunicação visitados que o analisam e ajudam no debate e reflexão. Além de ser uma maneira de interagir com os jornalistas, mostrando o talento e criatividade dos alunos, para alguns pode ser uma oportunidade de conseguir um estágio e manter um relacionamento profissional. O terceiro dia também conta com algumas palestras realizadas na instituição. Um diferencial deste ano do evento revelado por Oswaldo Ribeiro durante a reunião desta manhã é a possível realização de pocket shows – apresentações culturais de música, dança e arte, para entreter os alunos, professores e profissionais.

Neste ano, o 72 Horas de Jornalismo acontecerá no final do mês de agosto. Em breve divulgarei mais informações sobre os veículos de comunicação que serão visitados, palestras e apresentações culturais.

Confira alguns dos posts escritos por mim para o blog sobre as edições passadas do 72 Horas de Jornalismo:

Palestras encerram o '72 Horas de Jornalismo'

Produção de conteúdo online - 2º Dia do '72 Horas de Jornalismo'

Análise dos conteúdos produzidos e palestras - 3º Dia do '72 Horas de Jornalismo' 

A prática da TV na Guanandi

Estudantes de jornalismo da UCDB visitam Correio do Estado

Jornalista Oswaldo Ribeiro conta sobre pioneirismo da extinta rádio CBN em MS

Os encontros e desencontros da vida jornalística

Acadêmicos de Comunicação visitam a Revista Ímpar

Comentários

Mais lidas da semana