Pular para o conteúdo principal

Destaques

Mindhunter Profile 2: Especialista em serial killers compartilha experiências após aposentadoria do FBI

Após se aposentar do FBI , o ex-agente especialista em assassinos continuou sendo convidado para colaborar em alguns casos que exigiam entender melhor o perfil psicológico dos criminosos. No livro Mindhunter Profile 2 , dos autores Robert K. Ressler e Tom Snachtman , é possível conhecer um pouco mais da história de vida desta figura que deixou uma boa contribuição para a criminologia e compreensão sobre as mentes de serial killers. A obra foi publicada pela editora DarkSide Books , em 2021, com tradução de Alexandre Boide. Compre o livro Mindhunter Profile 2:  https://amzn.to/39qJjId Entre os casos explorados no livro há um que desperta o interesse por envolver algo não tão desconhecido, como o uso de transtornos mentais para diminuir as penas. Ressler percebeu um fenômeno de ex-soldados que usavam o Transtorno do Estresse Pós-Traumático como uma justificativa quando cometiam crimes e notou que muitas vezes, os históricos dos assassinos não eram checados e muitos inventavam histórias

Pandemia: 500 mil mortes depois e ainda na luta contra a desinformação

Minha primeira foto de máscara. Tenho abordado a Pandemia na internet desde o início. Para quem não me acompanha desde antes, recomecei nas redes sociais, mas meu blog continuou.

Na época, ainda morava em Blumenau (SC) que fez parte dessa catástrofe sanitária e ficou responsável por um dos episódios mais deprimentes da história, de reabertura do shopping ao som de Titanic e um monte de pessoas do grupo de risco ansiosas para ir às compras.

Na época, não tínhamos tantas cepas do vírus e o vírus não era tão mortal e já era um show de horrores esses comportamentos.

Não é segredo que o Sul do Brasil flerta com o nazifascismo e foi uma das regiões que mais votou em Bolsonaro. Uma região onde ainda existem redutos repulsivos neonazistas e fazem vista grossa.

Para quem já havia lutado contra desinformação científica em 2019, na luta contra tratamentos falsos de autismo, a pandemia e os tratamentos falsos para Covid-19 foram a cereja do bolo.

Impossível não se emocionar com o editorial histórico que o Jornal Nacional fez hoje sobre as 500 mil mortes por Covid-19 no Brasil. Destaco aqui um trecho:

"Quando nos perguntarem o que fizemos para evitar essa tragédia, cada um de nós terá sua resposta. A imensa maioria poderá dizer com orgulho que fez sua parte e mais um pouco."

"Estamos ao lado da ciência e seguiremos em frente”  Bonner e Renata

Além de lamentar por todas vidas perdidas na pandemia, a pergunta que ecoa na mente daqueles que lutam diariamente contra a desinformação científica propagada pelo Bolsonaro, alguns de seus apoiadores e pessoas negacionistas é: quantas vidas poderiam ter sido salvas? Quantas pessoas ainda estariam vivas se não tivessem se recusado a respeitar as orientações sanitárias? Quantas pessoas estariam vivas se o governo Bolsonaro tivesse aceitado as primeiras ofertas de vacinas na época em que foram oferecidas? 

Números são frios e nem sempre traduzem a realidade. Enquanto muitos brasileiros estão indignados com as descobertas da CPI da Pandemia e pedem o impeachment do Bolsonaro, há uma parcela da população que está apática e ouve os números de mortos e simplesmente não consegue processar a relação entre o que está acontecendo e o que não foi feito por negacionismo, omissão e intenção. 

Os senadores CPI da Pandemia divulgaram uma nota pública sobre a marca das 500 mil mortes. Assinam a nota: Omar Aziz (Presidente CPI), Randolfe Rodrigues (Vice Presidente ), Renan Calheiros (Relator), Tasso Jereissati, Otto Alencar, Eduardo Braga, Humberto Costa, Alessandro Vieira, Rogério Carvalho e Eliziane Gama.

“Nessa data dolorosamente trágica, quando o Brasil contabiliza 500 mil mortes, desejamos transmitir nossos mais profundos sentimentos ao País.Temos consciência que nenhuma palavra é suficiente para consolar e superar a dor das perdas de nossas famílias. São 500 mil sonhos interrompidos, 500 mil vidas ceifadas precocemente, 500 mil planos, desejos e projetos. Meio milhão de vidas que poderiam ter sido poupadas, com bom-senso, escolhas acertadas e respeito à ciência.

Asseguramos  que os responsáveis pagarão por seus erros, omissões, desprezos e deboches. Não chegamos a esse quadro devastador, desumano, por acaso. Há culpados e eles, no que depender da CPI, serão punidos exemplarmente. Os crimes contra a humanidade, os morticínios e os genocídios não se apagam, nem prescrevem. Eles se eternizam e, antes  da justiça Divina, eles se encontrarão com a justiça dos homens”.

Vivemos em tempos preocupantes, pois muita gente ainda não entendeu os riscos de eleger alguém sem empatia, sem compromisso com vidas humanas, sem respeito às leis e à democracia. Para alguns, quando acordar deste transe, talvez seja tarde demais para reconhecer que ninguém se elege sozinho e que diante de fatos abomináveis, não dá para ficar indiferente. Para outros que nunca votaram no Bolsonaro, resta aguardar o dia em que esse pesadelo vai acabar.

Fake news de saúde matam. Não se tratam de mentiras ingênuas ou por ignorância, se tratam de uma estratégia arquitetada para causar o caos por meio de crenças duvidosas, ainda que elas tenham sido desmentidas inúmeras vezes. Prova disso é que tudo o que Bolsonaro ainda repete em seus discursos públicos já foram corrigidos tantas vezes e ele insiste em mentir, em um delírio de mostrar que está acima de tudo e todos. 

O teatro só convence seus apoiadores e por trás da sua suposta força e loucura, se escondem o desespero de um homem desprezível e rejeitado, incapaz de reconhecer os seus próprios erros ou de demonstrar empatia pelo sofrimento humano. As mesmas estratégias que ajudaram a elegê-lo serão aquelas que vão derrubá-los, pois a catarse libera o ser humano do ciclo de ódio alimentado por um psicopata incorrigível. 

Parabéns aos que lutam para combater a desinformação desse desGoverno que insistentemente usa de mentiras e fake news e acarretou a esse cenário devastador de mortes. Quem ainda não entendeu a gravidade do que está acontecendo no Brasil, talvez nem com muita terapia. Lavagem cerebral total.

Leia também:

Prêmio Pulitzer 2021: Pandemia de Covid-19 como temática de três premiados de jornalismo 

Fascismo à Brasileira: Livro do jornalista Pedro Doria fala da influência de Mussolini no Brasil 

Pós-Verdade: Quando Jornalismo, Propaganda Política e Cinismo se Confundem no Brasil 

Pandemia: Ciência e União Ajudam a Combater o Negacionismo, Mas Não São Suficientes 

CPI da Pandemia: Senadores representam os incômodos dos brasileiros diante das mentiras e omissões 

Pós-Verdade: Em livro, jornalista Matthew D’Ancona disseca o fenômeno da desinformação política e manipulação 

Pandemia: Twitter reúne jornalistas, profissionais de saúde e interessados no combate à desinformação 

Livro sobre psicopatas traz relatos de especialista em diagnósticos 

*Ben Oliveira é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana