Pular para o conteúdo principal

Destaques

Happy Old Year: Filme explora a linha tênue entre o desapego e a nostalgia

O filme tailandês Happy Old Year , de 2019, nos faz pensar sobre as relações que construímos com as coisas que guardamos ao longo da vida. Com direção e roteiro de Nawapol Thamrongrattanarit, a obra está disponível na Netflix. Chutimon Chuengcharoensukying interpreta Jean, uma mulher que deseja fazer um escritório em sua casa, mas se dá conta de que há uma pilha de objetos inutilizados pela casa. Interessada e inspirada pelo minimalismo, se dependesse só dela, ela colocaria tudo em sacos de lixo e jogaria fora, o que ela descreve como buracos negros, porém, à medida que ela coloca o seu plano em ação, Jean percebe que não será tão fácil como imaginava. Com a resistência da família a mudar, Jean encara de frente sua missão, doa em quem doer. O que deveria ser fácil e prático para ela, cuja necessidade é vista até mesmo como egoísmo, acaba se desdobrando em várias situações, fases e etapas conforme ela mergulha nas histórias, memórias e emoções que estão vinculadas aos objetos, especialm

Autismo: Importância da leitura e das histórias para a compreensão social

Assim como acontecem com não-autistas, alguns autistas não gostam de livros de ficção. Porém, isso acontece devido às limitações com a Teoria da Mente* e alguns não veem 'utilidade em narrativas ficcionais', pensamento que pode limitar ainda mais a compreensão social.


*Temporariamente usada para explicar a dificuldade de autistas — lembrando que autistas com superdotação podem ter maior desenvolvimento da Teoria da Mente, por isso muitas vezes podem achar que eles 'não parecem autistas'.

Acredito que a leitura é uma ótima ferramenta para conhecer mais sobre a vida. Crianças autistas podem se beneficiar de histórias sociais: histórias que as ajudem a entender atividades, situações e contextos sociais. Como reagir em determinadas situações.

Livros ilustrados acabam sendo uma boa ferramenta para alguns autistas, mas vale lembrar que cada autista é diferente do outro. Alguns preferem imagens, outros, textos; outros podem preferir vídeos e áudios/narrativas orais.

Alguns dos propósitos das histórias sociais:

— Adaptação a novas rotinas e ambientes;

— Expressão de emoções e pensamentos;

— Entender comportamentos sociais esperados;

— Lidar com os medos;

— Preparar para situações estressantes.

Para adultos, além dos livros técnicos e biografias, a literatura pode ser beneficial na compreensão de contextos sociais e culturais. Quando temos uma bagagem de situações, fica mais fácil saber como reagir. A leitura também pode ser aliada na redução de preconceitos. Quando tentamos entender o ponto de vista dos outros, tendemos a ser mais coerentes.



Leia também:

Resenha: Farmácia Literária – Ella Berthoud e Susan Elderkin 

6 Comentários de Virginia Woolf sobre a leitura de livros 

Livro sobre literatura infantil explora a arte de escrever histórias 

Resenha: Onde Nascem os Gênios – Eric Weiner 

Resenha: Todo Dia – David Levithan 

Infográfico: Ler livros é uma das atividades mais relaxantes, segundo pesquisa 

Infográfico: 5 Benefícios da Leitura Comprovados em Pesquisas 

5 Maneiras Pelas Quais Manter Um Diário de Leitura Vai Mudar Sua Vida 

A Leitura e os Benefícios para a Mente 

Síndrome de Asperger: Guia do especialista mundial em autismo, Tony Attwood 

Resenha: O Cérebro Autista – Temple Grandin e Richard Panek 

Autismo: Problema de representatividade na ficção ou no mundo real? 

Asperger: Autismo, histórias que contamos e a importância cultural

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana