Pular para o conteúdo principal

Destaques

Documentário da Netflix aborda caso Elisa Lam e histórico mórbido do Cecil Hotel

Dependendo da sua idade e do quanto você é ligado às notícias e ao mundo online, é bem provável que você tenha ouvido falar sobre o caso da Elisa Lam , uma canadense descendente de chineses que  viajou para os Estados Unidos e morreu em um hotel de Los Angeles . O caso polêmico na época foi explorado na série documental Cena do Crime – Mistério e Morte no Hotel Cecil (Crime Scene: The Vanishing at the Cecil Hotel) , dirigido pelo norte-americano Joe Berlinger e distribuído pela Netflix , em 2021. Em quatro episódios, de forma linear, é contada a história de como Elisa Lam foi parar no Cecil Hotel e um pouco de sua personalidade no mundo digital e afinidade com o Tumblr. Importante mencionar que o documentário não traz entrevistas com os familiares de Elisa Lam. Se nem os próprios familiares conhecem a fundo uma pessoa, me pergunto por que há tantas pessoas aleatórias na internet e fãs de teorias da conspiração que se sentem no direito de dizer que algo poderia ou não ter acontecido. 

Espectro Autista: X-Men, Polarização e guerra de narrativas

Para quem quer entender sobre a polarização nas comunidades autistas/neurodiversas do mundo inteiro: as discordância entre organizações, familiares, profissionais e pessoas no espectro autista. E a razão de eu não estar associado a nenhuma organização e seguir independente.


Não é exclusivo do Brasil (aprendam a interpretar texto) – já deixei bem claro que minha página está alinhada com a comunidade internacional e apoia a NEURODIVERSIDADE.

Assistam X-Men. É uma ótima dica para entender a dinâmica de grupos e subgrupos. Não estou falando pela questão de 'superpoderes' (antes que alguém interprete errado), mas da aceitação/autoaceitação e vida em sociedade. Mesmo ajudando as pessoas, muitas pessoas queriam que os mutantes não existissem.

“O que eles não entendem, eles temem. E o que eles temem, eles tentam destruir [...] Às vezes, você quer acreditar que as pessoas são algo que elas não são. Quando percebe quem elas são, é tarde demais” – X-MEN: Fênix Negra.



⚠️ Não achem que todos autistas/neurodiversos são amigos, que todos familiares e profissionais pensam do mesmo jeito. É uma comunidade bem desunida e tem treta quase toda semana. Os grupos gringos são um horror perto dos brasileiros. Tudo o que eu vou citar não é A ou B, existem muitas variações pelo mundo inteiro:


- Tem quem se aceita como é / quem quer 'cura';

- Tem quem luta por uma causa / luta por outra;

- Tem quem não gosta de não-autistas (neurotípicos) e se acha superior a eles / quem se acha inferior aos neurotípicos / tem que não se acha nem superior nem inferior, se acha igual;

- Tem quem defende certos tratamentos / odeia certos tratamentos;

- Tem profissional ético / antiético (e como tem!);

- Tem quem só siga procedimentos cientificamente comprovados / quem não se importa;

- Tem quem defenda uma sociedade sem preconceitos / tem quem é cheio de preconceitos;

- Tem quem sofre preconceito por se aceitar e ter autoestima / Tem que não aguenta mais o preconceito dos outros e não é aceito dentro de casa.

Autistas são pessoas e pessoas não são iguais. Tenham consciência disso. Quebrem tabus.

Isso pelo mundo todo. Existem vários grupos e subgrupos. Não sou autista azul nem vermelho. Não preciso 'pertencer' ou me sentir 'validado' por ninguém nem ficar no fogo cruzado, meu compromisso é com a ética.

Agora, sobre os problemas que as organizações ajudam a combater. 


⚠️ O que vocês não sabem que acontece em muitos países (incluindo o Brasil):

- Terapias desumanas e escondidas e pais que perdem a guarda dos filhos (tem gente que adora brincar com fogo);

- Autistas presos em instituições;

- Abusos físicos cometidos por profissionais antiéticos;

- Gente que dá alvejante para o filho;

- Profissionais sem capacitação trabalhando na área;

- Gente que mente formação profissional;

- Pessoas que espalham que ativistas autistas estão mentindo que são autistas só para fazer as vozes deles perderem a importância;

- Pais que matam os filhos e/ou negam tratamento;

- Agressões em escolas e instituições;

- Profissionais mentindo que autistas têm vermes, vírus, DNA Alienígena e por aí vai...

- Pessoas que compram produtos perigosos e falsos, só porque acreditam em charlatões que já foram desmentidos várias vezes etc.

Ser autista/Asperger é ter que lutar diariamente contra o preconceito, mitos e tabus.

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Outros textos sobre autismo publicados aqui no blog:

Palestra com a autista Julie Dachez, autora do livro A Diferença Invisível

13 Livros sobre Autismo que poderiam ser traduzidos para o Brasil

A Diferença Invisível: Tirinha sobre Síndrome de Asperger e o preconceito

Livro Autismo (Volkmar e Wiesner): Pontos positivos e negativos

Desejados: Outra Sintonia – A História do Autismo (John Donvan e Caren Zucker)

Comentários

Mais lidas da semana