sábado, 9 de junho de 2018

Autismo: Entre mentiras, mitos e preconceitos

O universo do autismo está repleto de mentiras, estereótipos, mitos e preconceitos. Nessas horas, além de sempre recomendar questionar as informações (nenhum autista é igual ao outro, ainda que no mesmo ‘grau’ – o espectro não é linear, por exemplo, dois Aspergers podem ser completamente diferentes; os sistemas classificatórios estão ultrapassados, pois não levam em conta que as habilidades e deficiências podem ser completamente diferentes e deixam milhares de diagnósticos passarem batidos; milhares de autistas que não sabem que são autistas), também recomendo a leitura. Temple Grandin tem uma mente genial e seu pensamento visual é fascinante.


Para contextualizar um pouco, as diferenças entre autistas também influenciam nas diferenças de associações. Durante muitos anos, a cor azul e o quebra-cabeça foram adotados para falar de autismo; as novas associações (formadas por autistas e simpatizantes) adotaram o vermelho e o espectro colorido.

“Pessoas autistas não vivem em 'outro mundo' 

Este é o problema.
Elas vivem NESTE mundo

Um mundo que as silencia
Um mundo que fala sobre elas
Um mundo pouco disposto a acomodar suas necessidades.
Um mundo que não os aceita como são” – Autistic (Twitter)

Muitos mitos já foram derrubados há anos, mas continuam sendo espalhados... vacina não causa autismo! Ninguém se torna autista por falta de cuidado dos pais; autismo não é doença (logo, não existe cura) – o que não quer dizer que o autista não possa desenvolver habilidades; temos voz e podemos usá-la (quantas vezes você leu um texto escrito por um autista?).

Mesmo autistas não-verbais, em alguns países, encontram formas de comunicação alternativas para terem seus direitos respeitados; Tratamentos sem comprovação científica podem ser perigosos, afinal, cada autista é diferente e acontecem muitos casos de envenenamento e/ou desenvolvimento de doenças por causa disso.

Coisas que as pessoas não sabem sobre o preconceito: antigamente, autistas eram internados contra a vontade e afastados dos pais; pelo componente genético, alguns autistas escutam que é melhor não ter filho (Eugenia) e, diariamente, coisas que fazem mal para autistas (que podem variar completamente) são vistas como frescura ou birra por não-autistas, como barulho e luz.

Enfim, estudar autismo se tornou um hiperfoco temporário, poderia falar e falar e ainda não seria suficiente para descrever os absurdos que leio diariamente.

*No momento, estou lendo O Cérebro Autista, escrito por Temple Grandin e Richard Panek. No Brasil, o livro foi publicado pela Editora Record, com tradução de Cristina Cavalcanti. Dependendo da minha experiência de leitura, em breve devo indicar o livro no blog.

Para quem quiser comprar o livro: https://amzn.to/2xZGUUU


Outras indicações de livros:



Asperger (Forma leve de autismo): Graphic novel francesa ajuda na conscientização 

Asperger na adolescência e amizade são temas do livro Em Algum Lugar nas Estrelas 

Síndrome de Asperger: Guia do especialista mundial em autismo, Tony Attwood 

Vídeo: Trechos do livro Em Algum Lugar nas Estrelas (Clare Vanderpool) 




Indicações de leitura de textos sobre o universo do autismo:


Autismo: a disputa de narrativas e as vozes que ainda não alcançamos | Opinião | Rita Louzeiro

A identidade autista é mais que um rótulo | Opinião | Beatriz Souza

De um autista leve para um severo: sobre a aceitação do autismo

Autista, não falante e inteligente 

Autismo na ONU: Entrevista com a ativista Fernanda Santana 

Autismo: Curta de animação para crianças explora a neurodiversidade 

Um bate-papo entre uma autista adulta e a mãe de uma criança no espectro 

A importância do contexto | Opinião | Alexandre Mapurunga 

The Good Doctor: Personagem autista médico e o preconceito 

Autismo no cinema: Filme Tudo Que Quero faz estreia tímida no Brasil 

Asperger: Autismo não tem rosto 

O que são stims? 

Asperger: Autismo, histórias que contamos e a importância cultural 

As Armadadilhas de se passar ou não por neurotípico 

O paradigma da neurodiversidade 

O autismo segundo o paradigma da neurodiversidade 

Por que mesmo as escolas mais inclusivas continuam buscando a padronização? 

Todos autistas precisam de algum tipo de suporte 

O curioso caso sobre autismo e propriocepção 

Diagnóstico de autismo depois de adulto 

Autistas: destruindo o estigma da incapacidade de viver em sociedade | Opinião | Maristela Lugon 

Dois textos de Philip Reyes 

A epidemia de suicídio entre pessoas autistas 

ONU tem como Tema “Mulheres e Meninas Autistas” para o Dia 02 Abril 

Não chore por nós 

Parece autismo e é! 

34 filmes para entender o autismo 

Amy Sequenzia: Autista não falante, falando 

Mês da aceitação do autismo: Abraçando o autismo como uma identidade 

Rumo a uma sociedade neurocosmopolita 

Dica de Filmes, documentários e séries que abordam Autismo  

MANIFESTO – Sou autista e viver em comunidade é direito meu! 

A reapropriação da palavra “Autista” 

Mãos quietas 

Síndrome de Asperger: Memórias de um camaleão 

Autistas não são animais exóticos | Opinião | Beatriz Souza 

Vídeo mostra como crianças com autismo vivenciam sobrecarga sensorial 

Casal protesta contra promessa de cura para o autismo 

Autismo: O Perigo do Protocolo MMS/CDS 

Não, eu não sou um cavalo: refutando a comparação entre autistas que teclam e Clever Hans 

O lance do giz de cera: histórias do espectro autista 

Autismo: A importância de escutar e interpretar o autista 

A aceitação como prática de bem-estar 

A sedutora ilusão da normalidade 

Just Stimming  

1º Encontro Brasileiro de Pessoas Autistas (EBA) 

Pessoas autistas, protagonistas de um Brasil mais inclusivo 

Autismo: Aspergers camaleões e o silêncio sobre adultos 

Meu nome é Emma 

Uma definição popular’ para comportamentos calmantes 

Uma pessoa não é uma função  

O DSM-5 Não Melhorou Serviços Para Autistas Adultos 

A definição de autismo é muito ampla? 

Só descobri que tinha autismo depois de adulta 

É verdade que todo autista? 

Autismo em Evidências: Carta aberta sobre a lei 13.438 

Entrevista: “O cérebro autista”, de Temple Grandin e Richard Panek – Luciana Calaza 

Aspie: entre o silêncio e o excesso de palavras 

Vídeo: Asperger Adulto e A Diferença Invisível 

6 equívocos sobre pessoas com autismo que precisam ser esclarecidos 

Mulheres relatam como é viver com autismo 

Estímulos e superproteção parental: minha visão sobre os dois no desenvolvimento da criança autista 

Autistas vs Autistas – Não estamos competindo 

Um relato sobre Asperger adulto e comunicação 

Por que muitos acham que todo autista é um gênio? 

Terminologia e semântica do universo autista 

Um desafio para os profissionais do autismo 

Entrevista com Ari Ne’eman, cofundador da ‘Autistic Self Advocacy Network’ 

O impacto da crença na incapacidade 

Comunicar é mais do que usar as palavras 

O discurso de Ido Kedar 

O autismo é meu destino 

A importância do conceito da neurodiversidade para pessoas com TEA 

A importância dos educadores da neurodiversidade dentro das escolas 



*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários Recentes

Me acompanhe no Instagram