segunda-feira, 9 de julho de 2018

Síndrome de Asperger: Estereótipos do autismo e a dificuldade de identificação

A Síndrome de Asperger foi descrita em 1944 por Hans Asperger. Embora formalmente o termo não será mais usado, é importante pontuar que muitos profissionais têm dificuldade de identificar autistas com esse grau.


Basta lembrar que há mais de 20 anos (1994) a Síndrome de Asperger foi incluída nos manuais de diagnósticos formais e até os dias atuais muita gente nem sabe o que é (incluo aí pessoas da área de saúde: profissionais e estudantes). Pessoas que não são boas de matemática: é só conferir sua idade. Se você nasceu antes dessa época, há uma chance bem alta de nunca ter sido diagnosticado.

Não preciso dizer o óbvio? Preciso. Levando em conta a desatualização profissional e a dificuldade de identificação, especialmente de autistas com Superdotação que camuflam o autismo, muitas pessoas passaram a vida inteira sem diagnóstico.

Durante muitos anos, se focaram no diagnóstico de garotos e homens. Lentamente, de garotas. E os diagnósticos de mulheres ainda estão em desenvolvimento. Muitas pessoas com dupla excepcionalidade também facilmente ficaram sem diagnósticos (Aspergers com superdotação). Nem vou entrar na questão de pessoas com várias sobreposições de condições... Dilema maior ainda.

Embora algumas pessoas tenham a ilusão de que o autismo é algo recente, produto da vida moderna, precisamos lembrar que só porque algo não era conhecido, não quer dizer que não existia.

Vou desenhar para vocês mais uma coisa óbvia: não culpem pessoas por diagnósticos tardios; elas não devem sentir vergonha de algo que antigamente as pessoas tinham dificuldade de identificar e ainda têm nos dias atuais. Se não entendem a dificuldade de encontrar bons profissionais, pesquisem a realidade antes de julgar. O autismo e a síndrome de Asperger vão muito além dos estereótipos, do que as pessoas acham que entendem do que é autismo. Dois autistas (mesmo Aspergers) podem ser MUITO diferentes. Dizer que alguém “não parece autista” é só uma visão preconceituosa.

A dificuldade de diagnóstico é tanta que muitos profissionais e pessoas não entendem alguns mitos: alguns autistas conseguem olhar nos olhos, têm relacionamentos pessoais e aprendem a se adaptar ao longo da vida; o que não quer dizer que eles deixaram de ser autistas, é uma condição neurobiológica diversa para a vida (não é doença, afinal, não tem cura).

Se não vive na nossa pele e não sabe nossas dificuldades, não tem direito de julgar nossa realidade.

Para quem tem vergonha, autistas sem diagnóstico formal (ou que não fazem ideia de que são autistas, mesmo com identificação informal) estão mais suscetíveis a crises e sobrecarga sensorial por causa do excesso de exposição a estímulos sensoriais e gasto de energia com socialização porque não entendem o que pode fazer mal a eles. Menos preconceito e mais informações.

A nova classificação de Aspergers deixará mais claro para pessoas com dificuldade de entender o autismo: Transtorno do Espectro Autista SEM transtorno do desenvolvimento intelectual e com LEVE ou NENHUM prejuízo de linguagem funcional.



Leia também:

Mary e Max: Adulto autista, solidão e amizade 

Síndrome de Asperger: Camuflagem social não é cura 

Autismo: Importância da leitura e das histórias para a compreensão social 

Resenha: O Cérebro Autista – Temple Grandin e Richard Panek 

Autismo: Problema de representatividade na ficção ou no mundo real? 

Síndrome de Asperger: Adam, adulto com autismo e os relacionamentos 

Síndrome de Asperger: Guia do especialista mundial em autismo, Tony Attwood 

Síndrome de Asperger: Memórias de um camaleão 

Autismo: Curta de animação para crianças explora a neurodiversidade 

The Good Doctor: Personagem autista médico e o preconceito 

Asperger: Autismo, histórias que contamos e a importância cultural 

Autismo no cinema: Filme Tudo Que Quero faz estreia tímida no Brasil 

Autismo: Aspergers camaleões e o silêncio sobre adultos 

Asperger na adolescência e amizade são temas do livro Em Algum Lugar nas Estrelas 

Asperger (Forma leve de autismo): Graphic novel francesa ajuda na conscientização 

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Comentários Recentes

Me acompanhe no Instagram